“Pornografia
feminista não
existe”

por Manuela Aquino

Um papo direto e reto sobre pornô e o comportamento masculino com a feminista e ativista antipornografia Gail Dines

Professora emérita de sociologia, a inglesa Gail Dines pesquisa e escreve há mais de 25 anos sobre a indústria pornô. O livro Pornland: como a pornografia sequestrou nossa sexualidade foi traduzido em cinco idiomas e ela encabeça uma ONG, a Culture Reframed, para que os pais saibam conversar sobre o assunto com seus filhos.

Gail veio neste mês ao Brasil a convite do Instituto Liberta que, em parceria com a produtora Maria Farinha e o Instituto Alana, produziu um documentário sobre exploração sexual infantil, Novinha, dirigido por Adriana Yañez. A ativista participa do projeto, que deve ser lançado no segundo semestre deste ano, e falou com a Tpm sobre ligação do tema com a pornografia e como essa indústria alimenta a violência contra mulheres e crianças:

Tpm. Você veio ao Brasil participar de uma palestra sobre exploração infantil e estará em um documentário sobre o tema. Qual conhecimento e análise você traz para nossa realidade? Segundo o último relatório mundial "Out of the Shadows", ocupamos o 11º lugar no ranking de países que mais exploram menores de idade.
Gail Dines. 
Temos na exploração sexual uma questão de gênero, pois são homens comprando crianças e mulheres, e não mulheres comprando homens e crianças. O que eu trago para vocês é o questionamento de como o patriarcado dá aos homens o privilégio e o poder de fazerem esse tipo de crime. Como contribuem para a situação de pobreza delas, o que as faz serem vítimas.  Exploração sexual infantil, pornografia e tráfico sexual são três questões para se pensar juntas.

Como se dá essa essa reflexão? Pornografia é prostituição com a câmera ligada. As mulheres dessa indústria são de classe baixa e estão aceitando empregos que pagem pouco, não são advogadas ou médicas. Como a sociedade glorifica as produções pornográficas, uma menina do interior dos Estados Unidos, sem perspectiva nenhuma, que assiste a um documentário sobre uma “estrela pornô” vai achar que aquele é o caminho. Entrevistei muitos caras presos por violentarem crianças. Olha como acontece: eles começam assistindo aos filmes, mas depois de um tempo começam a se entediar, não os excita mais. Aí, entram em grupos fechados que compartilham fotos e vídeos e têm acesso a conteúdo infantil. Passam a cogitar essa ideia até realizar o estupro. Entre ver e fazer geralmente eles demoram seis meses.

VEJA TAMBÉM: Cindy Gallop, criadora do site Make Love Not Porn, convida os brasileiros a pensar e falar sobre sexo para soterrar valores deturpados que espreitam por aí

Como as políticas públicas e a sociedade poderiam trabalhar juntas pelo fim da exploração sexual? Para que qualquer ativismo dê certo, é preciso construir parcerias com grupos diversos com mesmos objetivos, mesmo que não se concorde com tudo. Aqui no Brasil a situação é tão crítica que o ideal seria realizar urgentemente trabalhos entre movimentos feministas, LGBTs, antitráfico infantil para lutar contra o modo de pensar da sociedade. As leis também precisam ser mais rígidas. Qualquer homem que explora sexualmente mulheres e crianças deveria ir para a prisão. Em países como Islândia e Noruega, a lei pune quem compra, quem vende e inocenta a vítima. A mulher que está na prostituição precisa ser descriminalizada para que não seja presa e fique com a ficha suja, o que dificulta procurar emprego, por exemplo.

A senhora afirma que os homens são moldados pelos filmes pornôs que assistem. Como isso acontece? O acesso a esse tipo de conteúdo hoje se faz cada vez mais cedo. Um adolescente cresce vendo aquilo e, quando crescer, o que vai querer? Gozar na sua cara, te estrangular e fazer sexo oral de um jeito que te engasgue, como acontece nos filmes.

Dá para cravar que todo adolescente que tem contato com pornografia não respeitará as mulheres? Depende, por exemplo, de como é na casa dele. Se você foi ensinado a respeitar seu corpo, o corpo das outras pessoas, o impacto vai ser menor do que se ele vê o pai tratando mãe e irmãs mal porque são mulheres, simplesmente. O problema é que a pornografia rouba dos adolescentes a descoberta da própria sexualidade, de como eles querem fazer na cama, sejam héteros, gays, bi...  [A pornografia] dá um padrão e eles colocam na cabeça que há uma super performance e isso também atrapalha.

Qual o impacto da pornografia nas mulheres? O primeiro, mais direto, é que você vai fazer sexo com homems que assistiram a pornôs e há chance de vocês reproduzirem esse tipo de filme. Algumas mulheres me dizem: “Ele parece não estar presente na hora do sexo”. E é verdade, o cara está pensando no que já viu na tela. Muitos podem querer repetir atos violentos, como estrangular a mulher no sexo. A pornografia acaba com a criatividade, com a intimidade, com a parte mais divertida do sexo. É a coisa menos sexy que existe.

LEIA TAMBÉM: O pornô feminista de Erika Lust

O que a senhora acha das diretoras que produzem filmes ditos feministas, como Erika Lust? É pornografia e explora as mulheres do mesmo jeito. Ponografia feminista é uma piada, não existe, é fake news. Você assiste a algo que deveria ser o momento mais íntimo de uma pessoa. Que direito temos de fazer isso, de invadir a privacidade do corpo de alguém dessa maneira? As produções da Erika Lust não têm nada de feminsta. Você assistiu ao documentário Hot Girls Wanted: Turned On, da Netflix? Pois bem, Erika chama uma pianista para fazer a cena de uma fantasia. Mas contrata um ator pornográfico para contracenar com ela. A moça concorda sem ter uma ideia de verdade do que vai acontecer. O cara faz sexo pornô com ela, como um rolo compressor. Chega uma hora em que, exausta, pede para parar. A diretora, defensora da sexualidade autêntica, pede para ela fingir o orgasmo. No fim do documentário, a pianista fica triste e a diretora, como boa feminista que diz ser, dá um abraço nela. 

Haveria um jeito de regulamentar as produções? 
Não, isso não é possível. Pornografia tem que acabar pois é uma forma de escravidão sexual. O caminho seria tirar qualquer dinheiro envolvido para que essa indústria parasse de lucrar e acabasse.

Créditos

Imagem principal: Divulgação

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar