por Redação

Marina Person, Sara Silveira e Juliana Rojas falam sobre o espaço feminino na indústria cinematográfica para o Trip TV

 

Depois do sucesso estrondoso e recente de Que horas ela volta?, que está na corrida pelo Oscar de melhor filme estrangeiro em 2016, a discussão sobre o papel das mulheres no cinema – em frente e atrás das câmeras -  está em pauta, mais do que nunca (quem se lembra do discurso acalorado de Patricia Arquette no Oscar deste ano?). Não à toa, conversamos com a cineasta Anna Muylaert nas páginas vermelhas da Tpm #158, que chega às bancas amanhã. “Meu filme chegou a um patamar onde não há mulheres. Até hoje só tinha acontecido com Walter Salles, José Padilha, Hector Babenco”, comenta ela ainda com certo espanto. 

Dá o play para ver a matéria completa:

Em entrevista ao programa Trip TV, Marina Person, Juliana Rojas e Sara Silveira também comentaram o tema com questionamentos provocadores. “Nós mulheres estamos fazendo um trabalho de entrada no cinema, é gradativo, é difícil, pois existe um establishment de homens que mandam na maioria dos mercados e no cinematográfico também", diz Sara Silveira.

Ser feminista é combater atitudes machistas de todas as maneiras possíveis, inclusive dentro de você mesmo [Marina Person]

 

matérias relacionadas