Tpm / Moda

por Thais Mol
Tpm #85

Já parou para dar uma olhada na moda dos países vizinhos?

Já parou para dar uma olhada na moda dos países vizinhos? Com menos recursos que a velha Europa, eles têm sido muito mais inspiradores

Durante a São Paulo Fashion Week (SPFW) os fashionistas tupi­ni­quins que moram em terra estrangeira sempre bombar­deiam o MSN com opiniões sobre os desfiles: os bons, os ruins, os hors-concours... Em meio a um bate-papo on-line com uma ami­ga, ela disse: “Minha professora da Saint Martins [universidade inglesa] diz que está valendo mais assistir à se­mana de moda de Buenos Aires do que a de São Paulo”. Como assim? Estive na Buenos Aires Fashion Week há quatro anos e minha impres­são foi a de que tudo aquilo era quase um circo.

Na época, trabalhava para o site da Fashion Week e, pra mim, o evento era algo muito profissional. Quase conseguia me ver em uma semana de moda europeia. Chegando à capital portenha, me assustei. A Buenos Ai­res Fa­shion Week (BAF) era uma mistura de feira de moda com perfor­mances na passarela.

Lugar comum
Na entrada, as roupas dos “diseñadores” ficavam expostas de forma aberta, estande ao lado de estande. Alguns desfiles demo­ravam muito mais que o convencional, com coreografias exa­ge­ra­da­men­te pensadas. As modelos não tinham um padrão e qualquer um po­deria assistir, desde que pagasse 20 pesos. E mais, eu sentava sempre na primeira fila. Achava que tinha algo de errado na­quilo tudo. Depois descobri que errada, na verdade, estava eu.

Algumas temporadas depois, e atingida pela tal observação da professora inglesa, re­solvi repensar aquela ex­pe­­riência que ti­ve. Recordei-me das se­ma­nas de mo­­da do André Hidalgo (idealizador da Ca­sa dos Cria­­dores) ainda nos anos 90, de desfiles memoráveis do Ronaldo Fraga e do Jum Nakao e do quanto esses desfiles me tocavam.

Percebi então que o excesso de profissionalismo talvez esteja nos fazendo cair numa arma­di­lha fashion. Não há mais lugar para o riso, o estra­nha­mento, a inova­ção nas passarelas da Bienal. O ní­vel europeu de pro­fissionalismo da SPFW não nos permite mais permitir. Nem os espectadores acei­tam inovações. Vide o des­­file da Cava­lera às mar­gens do rio Tie­tê: pú­bli­co escasso.

Diversidade de modelos? Popularização do pú­blico? Inovação nas narrativas? Em Buenos Aires tudo isso pode. Deu saudades da BAF...

 

 

Sites para ficar de olho na moda latina:

www.onthecornerstreetstyle.blogspot.com
www.bastreetstyle.blogspot.com
www.eseme.cl
www.modastgo.blogspot.com
www.revistalafuga.com
www.revistasede.com
www.pasarelapuntadeleste.com/index.php

matérias relacionadas