por Aline Cruz

Listamos seis quadrinistas que conseguem traduzir bem o que sentimos quando recebemos aquela fatura astronômica ou percebemos que ninguém, além de nós mesmos, vai lavar aquela pilha de pratos

Para o cinema, a TV e a publicidade, tornar-se adulto é adquirir compulsoriamente uma série de certezas na vida — onde morar, que carreira seguir e, claro, a hora de casar e ter filhos. Afinal, no "mundo adulto" idealizado, ser solteiro é apenas um passo da vida jovem até atingir o objetivo de se tornar responsável e formar uma família.

Muitos de nós até tentam maquiar suas vidas nas redes sociais para se encaixar neste padrão, mas basta fazer um passeio por algumas timelines e lá está a verdade: não estamos em um caminho tão linear assim. 

LEIA TAMBÉM: Jornalismo em quadrinhos

A seguir, uma lista de quadrinistas que conseguem traduzir bem o que sentimos quando recebemos aquela fatura astronômica ou quando percebemos que ninguém, além de nós mesmos, vai lavar aquela pilha de pratos.

Sarah Andersen

Com seus quadrinhos bem-humorados sobre nossas fobias sociais, nossa tendência à procrastinação e a vontade de se esconder debaixo das cobertas, a americana de 24 anos já alcançou mais de um milhão de seguidores nas redes sociais. Seus trabalhos são traduzidos para vários idiomas, como português, alemão, espanhol e italiano. Vale dar uma olhada na HQ Ninguém vira adulto de verdade, lançada recentemente aqui no Brasil pela Companhia das Letras.

Adam Ellis

Quadrinista americano que trabalha com o Buzzfeed, Adam cria pequenas animações que variam desde a contemplação do “dia de chuva perfeito” ao tão conhecido ódio às segundas-feiras. Seus quadrinhos passeiam por temas como dinheiro, vida cotidiana e assuntos mais sérios, como depressão e política, com uma leveza que gera identificação e simpatia instantâneas.

LEIA TAMBÉM: Seis ilustradores eróticos para seguir no Instagram

Julia Wertz

Autora da HQ Entre umas e outras (Ed. Nemo), recém-publicada no Brasil, Julia contou à Trip que suas histórias funcionaram para perceber em si mesma comportamentos ruins que eram cíclicos. “Os quadrinhos são como uma terapia pra mim, me mostram falhas e como elas afetam outras pessoas", explica. Muitos leitores mandam mensagens dizendo que se sentiram menos sozinhos ao lerem suas HQs: "O maior elogio que um artista pode receber é que um leitor se inspirou com seu trabalho".

Aureliano Medeiros

Este artista potiguar manda muito bem ao lidar com as próprias bads expondo as dificuldades em forma de HQ. Autor da página Oi, Aurê, Aureliano conta com mais de cem mil seguidores. 

Vale ler também os livros Midlife, do canadense Joe Ollmann, e Llegar a los 30, do argentino Ezequiel Garcia

Créditos

Imagem principal: Aureliano Medeiros / Reprodução

matérias relacionadas