por Diogo Rodriguez

Pra fugir do óbvio no mochilão pela Europa, você pode dirigir tanques do exército húngaro

No fim de semana europeu, ao invés de ir para a praia, combinar de correr de kart com os amigos ou marcar o futebol, algumas pessoas se dirigem à cidade de Baj, na Hungria, para fazer um programa peculiar. A grama está lá, a água também, assim como os motores e a pista, mas o que se conduz no Tank.hu são tanques de guerra.



Milan Hazsnics, proprietário da frota de onze tanques obsoletos aposentados pelo exército húngaro, aluga os brinquedos de guerra para os interessados em experimentar uma situação de combate. É obrigatório aprender a dirigir em um GSP 55 Pegasus, um veículo mais "leve e fácil de manobrar, que tem um centro de gravidade muito baixo e, por isso, não vira", conta Hasznics. Um instrutor dá uma volta com o aprendiz para, logo depois, ensinar como manejar o tanque anfíbio. Após essa etapa, o cliente escolhe entre os outras cinco possibilidades: ZSU-23-4 Shilka, T-55 ARV blindado e T-55A (usado para transporte), MTLBU Lightning e BMP-1, todos de origem soviética.

"A sensação de dominar esses monstros de aço durará pela vida toda" - diz o site oficial

É possível ir sozinho ou levar um grupo. Hasznics, que é PhD em engenharia, relata que muitas empresas fazem confraternizações no campo de 55 acres, para melhorar a integração entre os funcionários. O site oficial da pista vaticina: "A sensação de dominar esses monstros de aço durará pela vida toda. Quando nossos hóspedes formam times, isso ajuda a aprofundar as relações, integrando-os em nível superior". Despedidas de solteiro e turistas asiáticos são outros frequentes na pista de obstáculos com montes de terra, pequenos prédios abandonados e grandes poças d'água. As mulheres acabam se dando bem no desafio de manejar os tanques, "mais até do que os homens", segundo o proprietário do pequeno exército de blindados.

Não sai nada barato um passeio nos tanques húngaros: o pacote mais simples, com 30 minutos no GSP-55 e mais 15 no T-55 ARV sai por 280 euros. Quem tiver mais dinheiro disponível e vontade de desgustar outros três tanques da frota (ZSU-23, T-55A e MTLBU) por 30 minutos cada desembolsa 900 euros. Com tantas opções, vale a pena perguntar para o dono do Tank.Hu e especialista em tanques qual é sua recomendação para quem nunca esteve atrás do manche: "O T-55. Ele é pesado [40 toneladas] e poderoso [tem 580 cavalos de potência]!", diz.

Hasznics faz questão de ressaltar que todas as armas dos tanques estão desativadas. Só há cápsulas dos projéteis para que os clientes tenham uma noção de como é uma guerra de verdade. Quem sair empolgado da pista pode descontar o "desejo de matar" no campo de paintball disponível no complexo. No próximo mochilão para a Europa, já existe uma opção para quem quer dar um tempo nos museus.

Saiba mais: http://tank.hu/

matérias relacionadas