por Tia Dag

Educação é muito mais do que saber ler, escrever e fazer algumas contas para poder arrumar um emprego de remuneração precária

Estou dentro do carro, cabeça encostada na janela, olhando o entardecer. Estou feliz e satisfeita, voltando de uma premiação que reconhece a Casa do Zezinho como uma das melhores ONGs do Brasil. Relembro os comprimentos e sorrisos, os discursos de outros educadores, mas também o olhar cansado nos rostos de quem ainda acredita em mudança e transformação “apesar de” e sabe que precisa começar do zero, todos os dias. Educar é um ato contínuo que nunca termina.

Porém, ainda não é o bastante. Não pode ser. Não enquanto os números oficiais de analfabetismo forem tão altos, não enquanto as doações forem tão baixas, não enquanto o descaso público for tão grande. A triste verdade é que o Brasil é mal-educado em vários níveis, por nós mesmos. Educação é um bem que se importa e exporta. Ele precisa sair de uma pessoa para outra, seja na forma de conhecimento, expressão ou exemplo. Educar é ação e não estamos agindo. Se uma pessoa bem-educada tem 24 horas de oportunidades para exportar conhecimento de valor e não o faz, o que podemos esperar de quem não recebeu nem o ensino fundamental? Que direito temos de cobrar isso do outro? Nenhum, oras!

Educação é muito mais do que saber ler, escrever e fazer algumas contas para poder arrumar um emprego de remuneração precária e passar a vida como um analfabeto funcional que consegue votar para que tudo continue na mesma. O Brasil que eu quero precisa ter uma educação que seja maior que isso. Precisa formar pessoas que sejam maiores que isso. O Brasil que eu quero precisa não apenas gritar por mudanças mas começar a ouvir e fazer, tanto quanto. No Brasil que eu quero, a educação deveria ser um assunto para se falar todos os dias, como novela e futebol, como algo de interesse público e legítimo. Não cola mais jogar a responsabilidade nas mãos de professores e educadores de salários baixos, escolas sucateadas e no fim da fila dos interesses governamentais. Seja você empresário, advogado, pai ou mãe, estamos no mesmo barco. E ele afunda um pouco a cada dia.

O Brasil precisa renovar seu encanto pelo ensino para reeducar a si mesmo. Precisa começar por quem sabe um pouco para compartilhar com quem não sabe de muita coisa. O tudo é a soma do pouco que cada um pode doar e fazer. A educação é chamada de elitista porque está fundamentada na arrogância daqueles que não dividem seus conhecimentos e habilidades a sua volta. Essa mesquinharia do medo precisa parar. Medo de perder status, medo de perder o emprego se ensinar o funcionário, medo da competição e da concorrência que perpetua o analfabetismo funcional. O Brasil que eu quero tem que ter educação de ensino. As ferramentas estão aí, muito mais do que quando comecei. Usem as mídias sociais para educar, usem a robótica, a realidade virtual. Usem, principalmente, a si mesmos. E vamos transformar o Brasil em um grande corpo docente. Vamos fazer do nosso país um organismo vivo e referencial de ensino, de novas ideias e ideais para o mundo. Vamos respirar educação!

O Brasil que eu quero tem que ter educação. Espero, de verdade, que o seu também.

"A boa educação é moeda de ouro. Em toda a parte, tem valor." -– Padre Antônio Vieira

Tia Dag foi homenageada pelo Trip Transformadores de 2007. 
Acompanhe semanalmente textos de grandes pensadores da sociedade brasileira, que já pisaram no palco do Trip Transformadores.

matérias relacionadas