por Fernando Luna
Tpm #134

Se o Procon lesse as revistas femininas, não sobraria quase nenhuma nas bancas

Se o Procon lesse as revistas femininas, não sobraria quase nenhuma nas bancas.

Em defesa do consumidor, ou melhor, da consumidora, mandaria recolher as toneladas de papel pintado com imagens e palavras que prometem mas não cumprem. Em bom português: imagens e palavras mentirosas.

Exagero?

Mesmo a Pollyanna Moça com um detector de mentiras escangalhado desconfiaria daquelas frases em letras garrafais. Dá uma olhada em apenas três exemplos, todos reais e publicados recentemente por aí, um de cada categoria cinicamente explorada pelo universo editorial feminino – beleza, trabalho e relacionamento:

CORTES DE CABELO PARA SER PROMOVIDA

(Em vez do MBA na Harvard Business School, uma tarde com Celso Kamura: “Seu cabelo ficou incrível, que tal assumir a presidência da empresa?”.)

DOBRE O SEU SALÁRIO. JÁ!

(Se o truque funciona de fato e a equipe da publicação segue seus próprios conselhos, está explicada a crise financeira da mídia.)

COMO ENCONTRAR O HOMEM QUE VOCÊ MERECE

(Ironia involuntária: seu novo namorado não vale o prato que come? Bem, é o homem que VOCÊ merece. Fica com isso e não reclama.)

Alguém ainda há de descobrir o instante exato em que tantas publicações femininas deixaram de lado a informação e optaram pelo ilusionismo. Esse big bang de araque deu origem a uma expansão infinita de mentiras, meias-verdades, 1/3 de verdade e outras pequenas frações da realidade.

Tudo isso é vendido em forma de dicas e truques supostamente infalíveis, que só não falham em destroçar a autoestima das mulheres. Nem de todas as mulheres. Só daquelas que ainda creem em fórmulas mágicas, capazes de resolver todo e qualquer problema já enfrentado pela humanidade desde que a gente boiava na sopa primordial. Quando elas se dão conta de que a pessoa amada, ao contrário dos 3 quilos, não volta em 7 dias, ainda se convencem de que o problema está nelas próprias – e não naquela maluquice disfarçada de reportagem.

A coisa toda se tornou perigosamente comum, tão comum que esta capa-paródia da Tpm, com a Alice Braga hiperphotoshopada e cercada por chamadas bizarras, se mimetiza perfeitamente na paisagem artificial das bancas. Para a passante desavisada, vai ser mais uma mulher que não existe vendendo promessas que não se realizam.

Mentira só tem perna curta porque não lê nenhuma revista feminina. Ou saberia que, com apenas 10 minutos do novo exercício revolucionário e o exclusivo chá estica-coxa, suas pernas ficam iguaizinhas às da Anitta. 

Fernando Luna, diretor editorial

Neste mês acontece mais uma edição da CASA TPM. Como no ano passado, vai ser um fim de semana inteiro de debates e shows conectados ao universo feminino – do rímel a Simone de Beauvoir, passando por trabalho, sexo, política e arte.

O evento acontece em 17 e 18 de agosto no Nacional Club, em São Paulo, e já estão confirmadas presenças como as das cantoras Tulipa Ruiz e Karina Buhr, da fotógrafa Vania Toledo, da historiadora Mary del Priore, da cineasta Lais Bodansky, da apresentadora Sarah Oliveira, da psicanalista Regina Navarro Lins, da ativista Elisa Gargiulo, das blogueiras Mariana Perroni e Lola Aronovich, da militante política Clara Charf e da chefe da polícia civil do Rio, delegada Marta Rocha.

Para garantir sua entrada, faça a inscrição (gratuita) no site. Para quem está fora de São Paulo, vale acompanhar as notícias e a cobertura também por aqui – e na fanpage 

matérias relacionadas