Sem mágoas ou amor, por Antonia Pellegrino

"É preciso tirar forças das profundezas da terra para então se perdoar e atingir um estado neutro"

por Antonia Pellegrino em

Tpm / Casamento / Comportamento

Para se separar é preciso tanto desejo como para se constituir enquanto casal. É preciso a mesma determinação. O mesmo empenho, atenção, cuidado e desejo. Mas se no começo essa determinação é ativada por afetos alegres, numa separação o que conduz são os afetos tristes. É preciso tirar as forças das profundezas da terra, para onde o resultado do que for produzido por estas forças estará destinado. E por isso a narrativa é tão importante.

Ela é como um rezo, uma história que cada um costura para si, em silêncio, mas que, ao invés de entregar aos céus, é entregue à terra. Essa história íntima só pode ser liberadora se houver nela generosidade com as nossas falhas.

LEIA TAMBÉM: "Estética é política", por Antonia Pellegrino

Não posso falar por você, mas apostaria que, se você pudesse ter feito de outro modo, você teria. Mas você não pode. Dá muita raiva, né? Porque havia vidas e belezas em jogo. Mas você não pode e não há como lutar contra isso. É preciso aceitar. Se eu pudesse fazer de outro modo, não teria medido esforços. Mas eu não pude. Não há porque ter culpa – embora seja necessária à arqueologia da tragédia. Não há por que ter culpa. Nós não pudemos, simplesmente. Acabamos ambos derrotados, perdendo para nossas falhas.

Acredito que ninguém queira se se-parar. Mas separações acontecem. A todo dia, a toda hora. Porque há em todo casal aquilo que eles não conseguem realizar, e em algum momento este irrealizado desobstrui o caminho e vence. Vencem as falhas. A sua frase sobre o direito de se separar, embora justa, soa antipática por ser uma consciência fálica disso, enquanto talvez o mais desestabilizador, e necessário, seja a consciência da falha. Ela é mais generosa. Mais liberadora. E o norte da liberação não viabiliza apenas uma relação futura entre nós – este norte viabiliza a própria separação.

Recomeço

Só a liberação permite a separação, nos níveis mais sutis. Por isso demora – embora os corpos tenham se separado, nem tudo é corpo. É preciso que as várias consciências se orquestrem para elaborar, aceitar, transmutar a perda e, finalmente, deixar ir uma separação.

LEIA TAMBÉM: Todas as colunas de Antonia Pellegrino

A única forma de se separar é essa: quando os dois se liberam, se perdoam e conseguem finalmente chegar a um estado neutro. De sentimentos apaziguados. De nenhuma expectativa. Sem mágoas ou amor. Apenas uma pequena clareira, de terra fofa e fértil. Porque, como diz Paulo Mendes Campos: o amor acaba “na floração excessiva da primavera; no abuso do verão; na dissonância do outono; no conforto do inverno; em todos os lugares o amor acaba; a qualquer hora o amor acaba; por qualquer motivo o amor acaba; para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba”.

Créditos

Imagem principal: Brunna Mancuso

Arquivado em: Tpm / Casamento / Comportamento