por Alê Youssef
Trip #264

A crise da democracia gera ambiente para que a tecnologia mude as relações entre representantes e representados; ao mesmo tempo, essas inovações podem representar risco ao ambiente democrático

Concluí no mês de abril um importante ciclo pessoal, com a defesa da minha dissertação de mestrado em filosofia no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro. No meu trabalho, busquei analisar a crise da democracia e dos seus sistemas de representação contemporâneos que, cada vez mais sem credibilidade, apartam a sociedade da participação política e intensificam a ideia de que a política ou os políticos não representam os verdadeiros anseios sociais.

Ao mesmo tempo, e diante do distanciamento dos representantes eleitos da população real e das pequenas margens de mudanças das realidades político e sociais em um mundo cada vez mais engessado e estático por interesses dominantes, identifiquei e apresentei no estudo que, em decorrência das inovações tecnológicas, crescem as sensações de mudanças importantes que estão gerando um novo conjunto de valores em uma série de novos campos.

LEIA TAMBÉM: "Sangue novo", por Alê Youssef

A partir da observação desses dois processos que acontecem paralelamente – a crise da democracia representativa e as inovações tecnológicas – meu objetivo foi refletir sobre o papel da política, as novas alternativas para os movimentos políticos, a possibilidade do aprimoramento dos sistemas representativos e o próprio papel do Estado.

Para desenvolver o trabalho, reuni o arcabouço teórico dos diagnósticos de pensadores que apresentam suas considerações sobre a democracia e especialmente sobre a crise instaurada na democracia representativa, além de relatos e reflexões de autores que estão vivenciando na prática as inovações tecnológicas.

A partir dessa composição, essas duas realidades interagem, ou seja, a crise da democracia representativa gera o ambiente para que as inovações tecnológicas atuem no sentido de melhorar as relações entre representantes e representados e, ao mesmo tempo, essas mesmas inovações também podem representar algum risco ao ambiente democrático tal qual conhecemos.

Pretendo publicar em breve meu trabalho para que todos possam avaliar e opinar sobre meus devaneios. Por ora, fica a sugestão para que todos busquem um aprimoramento educacional, seja através da pós-graduação, seja por cursos complementares. Não devemos nunca parar de estudar e devemos lutar para que essa possibilidade se abra para todos. Me fez um bem danado. Sinto que saio desse processo melhor, mais preparado. A educação é a maior potência que um país pode ter. Fortalece seus cidadãos, sua cidadania. É a melhor forma de ajudar o Brasil.

LEIA TAMBÉM: Todas as colunas do Alê Youssef

matérias relacionadas