Revista Trip

tamanho da letra
aumentar fonte
diminuir fonte

Marcelo Nascimento

Entramos na cadeia e conversamos com o 171 que virou filme com Wagner Moura
10.03.2011 | Texto: Ricardo Calil, de Cuiabá | Fotos: Gabriel Rinaldi,

Marcelo Nascimento da Rocha já foi filho do dono da Gol, guitarrista do Engenheiros do Hawaii, líder do PCC, entre outras dezenas de identidades falsas. No mês em que sua história chega ao cinema com Wagner Moura no seu papel, o mais famoso estelionatário do Brasil anuncia que vai começar a usar seu dom de persuasão para o bem. Mas quem é o verdadeiro Marcelo: O golpista arrependido, o mentiroso compulsivo ou o 171 do glamour?

Gabriel Rinaldi

Marcelo Nascimento

Marcelo Nascimento

Um golpista talentoso. Um psicopata. Um gênio do crime. Um mentiroso compulsivo. Um exibicionista em busca de fama rápida. O 171 do glamour. O maior picareta do Brasil.

As opiniões sobre Marcelo Nascimento da Rocha são quase tão numerosas quanto as 16 identidades falsas que ele assumiu ao longo de sua carreira no crime. Marcelo já foi policial de grupo de elite, guitarrista dos Engenheiros do Hawaii, olheiro da seleção, campeão de jiu-jítsu, repórter da MTV, produtor do Domingão do Faustão, líder do PCC etc.

De real em seu currículo, constam um lucrativo e arriscado emprego como piloto do narcotráfico, uma série de roubos de avião e uma longa ficha de golpes como estelionatário, como vender motos do exército, vagas em uma faculdade de direito e impressoras apreendidas pela Receita Federal que nunca seriam entregues.

Mas a mentira mais cinematográfica de Marcelo foi se passar por Henrique Constantino, filho do dono da Gol Linhas Aéreas, no Recifolia, o Carnaval fora de época da capital pernambucana, em 2001. Durante quatro dias, Marcelo foi paparicado por ricos e famosos (ele garante ter transado com duas celebridades), entrevistado por Amaury Jr., fotografado para colunas sociais. De quebra, pilotou um helicóptero e um jato particular cedidos por empresários que se tornaram íntimos do executivo da Gol em questão de minutos. Foi preso no Rio de Janeiro pela polícia federal, depois de transportar no tal jatinho os globais Marcos Frota, Carolina Dieckmann e Ricardo Macchi.

Foi a farsa da Gol que deu fama a Marcelo. Ele virou vilão em matérias da imprensa e herói em diversas comunidades da internet. E sua história foi contada no livro VIPs – Histórias reais de um mentiroso, de Mariana Caltabiano, grande sucesso editorial, com mais de 50 mil exemplares vendidos.

Agora, dez anos depois do mítico Recifolia, os golpes de Marcelo vão ganhar revival em grande estilo, envoltos em nomes de grife. No dia 25 de março, chega aos cinemas VIPs, ficção livremente inspirada na história de Marcelo, com produção da O2, de Fernando Meirelles, direção de Toniko Melo, roteiro de Braulio Mantovani e Wagner Moura no papel principal. Em abril, será a vez de VIPs – Histórias reais de um mentiroso, documentário assinado, como o livro, por Mariana Caltabiano. Nesse meio-tempo, será lançado também Fábrica de monstros, romance que marca a estreia de Marcelo como escritor – uma das atividades que ele pretende adotar, desta vez sem farsa, quando sair da prisão.

É A VOVOZINHA

Amaury Jr. entrevista o falso filho do dono da Gol em dois momentos no Recifolia

Amaury Jr. entrevista o falso filho do dono da Gol no Recifolia

Marcelo recebe a reportagem da Trip em uma sala da administração da penitenciária central de Cuiabá (MT), onde está encarcerado desde 2009. Ao vivo, ele parece antes um afável gerente de banco do que um temível bandido. Esperto, articulado e bonachão (e, após dois sedentários anos, um tanto obeso), ele não se esquiva de nenhuma pergunta e se deixa fotografar com um bolo enfeitado com três velinhas marcando “171” (que passou pela segurança depois de ser devidamente esfaqueado, para não esconder uma lima, uma faca ou um celular).

 

O único momento em que ele sai do sério é para falar de Wagner Moura, que declarou que preferia não conhecê-lo porque Marcelo roubava dinheiro de velhinha. “Só se for da vó dele. Nunca tirei de quem não tinha. Só de quem tinha muito e podia se restabelecer”, rebate. “O Wagner Moura deveria ter buscado conhecer quem sou eu. Garanto que ele teria mais honra de me representar do que interpretar um capitão da PM que executava fazendo pose de herói. Esse cara o Wagner Moura tem honra de fazer?” Por enquanto, a pergunta ficará sem resposta. Procurado por meio de sua assessoria, o ator não pôde responder. Ele estava em Berlim justamente para a exibição de Tropa de Elite 2.

Não é apenas Wagner Moura que quer manter distância do golpista. Apesar de ter dirigido uma produção com um protagonista chamado Marcelo Nascimento da Rocha, com o mesmo título da biografia do 171 e com vários episódios de sua trajetória, Toniko Melo publicou no Facebook: “VIPs é um filme 100% baseado na minha imaginação e na do Braulio Mantovani, onde a ‘realidade’ é usada apenas como uma desculpa para investigarmos a nós mesmos”.

A declaração chegou a Marcelo na prisão e não caiu bem. Em e-mail enviado à Trip no dia do fechamento desta matéria, os advogados Victor Hugo de Campos Santos e Giovanna Corrêa declararam que seu cliente estuda a hipótese de ingressar com um processo contra o diretor, para que este se retrate publicamente e declare que a história do filme baseia-se na vida de Marcelo e no livro VIPs. Apesar de ainda não ter visto o filme, Marcelo não descarta a ideia de pedir a suspensão de seu lançamento.

Adotando o discurso-padrão dos presos regenerados, ele garante que pretende pagar sua dívida com a Justiça e abandonar de vez o crime. “A prova maior de que estou me ressocializando é que eu não quis mais fugir”, ele diz, com a autoridade de quem já liderou uma rebelião em Bangu e depois escapou do presídio carioca de “segurança máxima”. Aos 36 anos, ele anuncia que quer usar seu poder de convencimento para o bem – escrevendo livros, ministrando palestras, cuidando dos negócios que adquiriu em Cuiabá com o dinheiro de VIPs, a biografia e o filme, ao lado de sua namorada. E que tal uma carreira na política? “Aí não. Eu tenho meus limites morais.”

Você se lembra da primeira vez que contou uma mentira para se dar bem?
Eu tinha uns 10, 11 anos. Eu ganhei uma advertência por mau comportamento e dei um jeito de falsificar a assinatura da minha mãe. Não tive nenhum sucesso porque acabei deixando esse bilhete cair no pé dela na hora de sair de casa. “Nossa, o que é isso? Essa aqui não é minha assinatura.”

Então o primeiro golpe não colou?
Não. Mas não foi exatamente um golpe. Existe uma linha tênue que separa a mentira do golpe. A mentira em geral é algo que você conta para esconder algum fato que pode te prejudicar. Como quando você pede para sua secretária dizer que você não está no escritório. O golpe de fato é aquele que você planeja, que você executa, em que você busca obter algum lucro.

Marcelo à vontade numa cabine de avião

Marcelo à vontade numa cabine de avião

Qual foi a primeira mentira que deu certo?
O pai de um amigo meu era sócio de uma grande empresa de ônibus, e eu usava isso para viajar quando tinha uns 14 anos. Eu dizia que era sobrinho do dono e acabava não pagando a passagem. Eu nunca gostei de ficar em casa, sempre dava um jeito de viajar. Eu acredito que boa parte dos conhecimentos que adquiri na vida foi através de viagens, conhecendo pessoas, lugares.

 

Seu pai morreu quando você ainda era adolescente. Esse Seu desejo de sair de casa tem algo a ver com isso?
Nunca tive esse intuito de fugir de casa, de deixar um bilhete dizendo “não volto mais”. Eu via na TV uma matéria sobre um lugar e batia a vontade de conhecer. Minha mãe sabia que eu ia voltar depois de uma semana. Desde muito cedo, ela aprendeu a ser mera espectadora das minhas façanhas. Já meu pai não. Ele ia atrás, pegava ônibus, avião para me encontrar. E me falava: “Você escolhe a vida que você quer, o que você está fazendo é errado e pode te prejudicar no futuro”. Minha família sempre foi voltada para a valorização dos princípios. Tive uma infância tranquila em Maringá [PR] e depois em Curitiba. Praticava esportes, tirava boas notas, meu único problema era mau comportamento.

Você tinha alguma sensação de prazer quando conseguia enganar alguém?
Olha. Eu vi uma reportagem na TV em que um, entre aspas, “renomado psiquiatra” dizia que eu tinha uma doença, uma sensação de orgasmo quando acertava um golpe. Umas coisas baixas pro nível de pessoa que ele julga ser. Mas eu acho que ele é mais louco do que eu. Eu penso o seguinte: se você é um jogador de futebol e faz um gol, que sensação você vai ter? Satisfação, prazer. Não é diferente comigo. Eu ficava satisfeito quando um golpe dava certo, porque era esse meu objetivo. E comemorava fazendo festa. Aí vem um beócio me dizer que sou psicopata porque eu me satisfazia depois de ganhar dinheiro com um golpe. Será que ele não se satisfaz quando recebe por uma consulta?

Mas o problema não é justamente não diferenciar o legal do ilegal?
Sempre tive noção de que estava fazendo algo errado e que uma hora iria pagar por isso. Mas nunca tirei de quem não tinha. As pessoas se restabeleceram e espero que isso tenha servido de aprendizado para elas. Porque eu estou pagando aqui pela aula que eu dei. Todas as coisas que eu fiz na vida – salvo aquelas que fiz só para me divertir – foram muito bem calculadas. Eu sempre fui perfeccionista nas minhas empreitadas criminosas, nunca admiti erro. Talvez por isso eu tenha sido tão alvejado.

Em que sentido?
Alvejado pela mídia. As pessoas dizendo: “Ele é superinteligente e fez coisas que ninguém faz”. O que eu faço qualquer um faz, basta querer. O que eu tenho de anormal em relação a algumas pessoas é o poder de persuasão. Meu plano agora é terminar de pagar minha dívida com a sociedade e ministrar palestras para usar esse poder de forma positiva. Aos olhos de Deus quero ser uma pessoa boa. Pelo menos nunca atentei contra a vida de ninguém, nunca machuquei, nunca matei. E espero ter ensinado a algumas pessoas que a ganância não leva a lugar nenhum.

A sua ganância?
Não, a ganância das pessoas. O alicerce dos meus golpes sempre foi a ganância dos outros. Essa é a principal arma que o estelionatário tem. Se uma pessoa não for ambiciosa, ela nunca vai cair num golpe. Ninguém oferece para uma pessoa duas moedas para ela te devolver só uma. Se acontecer com você, desconfie. É estelionato.

No livro VIPs, você disse que iria cumprir sua dívida com a sociedade e depois ter uma vida normal. Mas depois você fugiu da prisão e foi pego num pequeno golpe. Por que as pessoas deveriam acreditar desta vez?
Olha, essa história foi numa situação um pouco diferente do que é meu cotidiano. Fui atender ao pedido de um amigo que, como eu, estava foragido. A sobrinha dele estava doente e o sonho dela era ter um notebook. Eu estava com meu kit, que é como a gente chama o pacote com identidade falsa, cartão falso. Fui comprar o computador e acabei sendo preso. Não tomei os cuidados que normalmente tomaria. Na verdade, já estava de saco cheio daquela vida.

De fugas?
É. Não é bacana viver fugindo. Eu perdi muito do crescimento do meu filho, do contato com minha família. Agora quero ficar tranquilo. Financeiramente, não preciso mais da vida do crime. O dinheiro dos livros, do filme... isso me dá o conforto de sair para fazer o meu projeto.

E o dinheiro do crime?
Procurei me desfazer de tudo. Torrei antes de entrar aqui. Com festas, doações. Parti do princípio de que minha vida iria começar do zero.

E sua ideia é ganhar dinheiro como escritor, como palestrante?
Sim. E comprei uma distribuidora de bebidas, um salão de beleza e um bar em Cuiabá, que minha namorada está administrando. Quero ser uma pessoa que você possa abordar na rua e falar: “E aí, Marcelo? Tudo bem?”. E eu possa me sentar com você para bater um papo sem a preocupação de ser cercado pela polícia federal.

Você já pensou em ser político?
Não, eu tenho meus limites morais [risos].

“O alicerce dos meus golpes sempre foi a ganância dos outros”

Você tem algum arrependimento?
Eu me arrependo de ter transportado drogas para o narcotráfico. Tenho a consciência pesada por saber que elas fizeram mal a muitas pessoas. O que eu tento fazer ao máximo para me redimir é apoiar pessoas para sair do vício. Há poucas semanas eu dei dinheiro para internar em uma clínica de reabilitação uma menina conhecida de um amigo de cela.

Você se enxerga como um Robin Hood, é isso?
Não. Sou mais um Lex Luthor do bem [risos].

Você encarnou diversos personagens na sua carreira de estelionatário. Você acha que sua atividade tem algum parentesco com a profissão de ator?
Não, acho que não. Tem uma coisa em comum: um dos grandes segredos de um golpista está na dicção. Acho que é algo pouco valorizado pelo ser humano. Vou demonstrar nas minhas palestras que isso é fundamental para convencer as pessoas de que você sabe o que está fazendo. Mas tem algo muito diferente do ator: eu nunca seria capaz de representar alguém que eu não poderia ser. Tem casos de estelionatários que falsificam uma carteira do Conselho Regional de Medicina e saem por aí operando pessoas. Isso é um absurdo, você está brincando com a vida de um ser humano. Nunca tentei entrar em uma área que não conhecia a fundo. Sempre me preparei muito para cada golpe.

E como era essa preparação?
Eu pesquisava muito, conversava ao vivo ou por telefone, usava a internet. Da mesma forma que a internet facilitou o combate ao crime ela também ajudou o criminoso a se aprimorar.

Você tinha que saber de tudo para tentar convencer as pessoas...
Sim. Mas você também tem que estar sempre muito atento e ser sempre rápido. Desde criança, eu tinha um raciocínio muito acelerado. Eu não dou tempo para a pessoa pensar. Vou te dar um exemplo: se eu tivesse uma empresa e fosse entrevistar alguém para uma vaga, eu começaria perguntando bem baixinho: “Qual é seu nome e de onde você veio?”. Se a pessoa responde “hã?”, já não serve para trabalhar comigo. A pessoa tem que ter dinamismo, atenção, sagacidade.

Dê um exemplo.
Desde que eu entrei aqui nesta sala, eu identifiquei o que pertence ao meu cotidiano e o que não pertence. Você tem que entrar num lugar e já saber quantas pessoas estão ali, o que elas estão vestindo, ficar atento ao que a pessoa vai falar, até para saber o que ela quer ouvir.

Existe um segredo para identificar o ponto fraco da pessoa?
Existe, mas não posso falar. Seria como ensinar o pulo do gato.

Quando eu cheguei aqui para entrevistá-lo, o que você observou?
Um exemplo: vi que você usa All Star. Quem usa esses tênis? Pessoas despojadas, relax. Se um cara não está nem aí pro vestuário, ele não tá nem aí com outras coisas, então você já começa falando de futebol, essas coisas. É diferente de você entrar numa sala e ver um cara de terno Armani e relógio Rolex, você vai ter que se aprofundar nos assuntos. Outro exemplo: eu vi que você tem sobrenome árabe. E os árabes são bons negociantes, difíceis de enganar.

Agora você está tentando falar o que eu gostaria de ouvir...
Não, estou falando sério. Eu evitava dar golpes em árabes. Brincava com os companheiros: “O cara é Salim, deixa pra lá que vai dar problema”.

Essa capacidade de persuasão foi um talento que você desenvolveu ao longo do tempo?
Cara, eu devo ter nascido com isso, porque eu não me lembro de ter estudado... Eu acho que foi o dom maior que Deus me deu. Até por isso eu não mexo com religião.

Não foi sua mãe que perguntou PRA VOCê por que não monta uma igreja?
Foi ela, mas várias outras pessoas também. Não faço por quê? Porque sei que daria certo. É muito fácil você pegar um aleijado e falar pra ele assim: “Cara, fé em Deus que você vai melhorar”. Porque Deus é a única coisa em que a gente tem que acreditar. Eu não brinco com as coisas de Deus, com a fé das pessoas.

Você é religioso?
Sou católico, fui batizado, mas não sou praticante. Tenho lido sobre kardecismo e gostado.

Vamos falar de Seu caso mais famoso, o da gol. Foi golpe ou mentira?
Foi uma brincadeira que cresceu. Não foi golpe. Não planejei aquilo, não lesei ninguém. Fui ao Recifolia para relaxar. O fato de me passar por filho do dono da Gol começou com uma brincadeira que nem foi minha. Foi um amigo que tava comigo no camarote. Como as pessoas não olhavam pra gente, ele chegou para umas modelos e comentou: “Aquele cara ali é o filho do dono da Gol”.

Mas você não tinha ligado antes pro camarote dizendo que era da Gol?
É verdade, mas eu disse que era diretor, só para conseguir uns abadás.

“O mundo dos vips é podre. Eu sou falso? Falso é quem me tratou bem achando que eu era alguém”

E o helicóptero e o jatinho que você pilotou? De onde surgiram?
Tudo caiu na minha mão. Tava dando tudo tão certo que eu nem aguentava mais. “Tá de carro?” “Não.” “Ah, então pega minha BMW aqui.” “Eu quero ir à festa. Tem heliporto?” “Tem. Pega meu helicóptero.” Daí vinha outro: “Porra, também tenho helicóptero, pega o meu.” Não vou pegar? Claro que vou.

E o Amaury Jr., como aparece na história?
Ele passou do meu lado, e eu disse para um colega: “Olha o Amaury Jr”. E ele virou a cara. Daí eu vi que uma menina da produção do programa foi correndo e falou alguma coisa no ouvido dele. O Amaury voltou e me deu um abraço: “Constantino, meu querido!”. Ele mesmo depois confessou isso numa entrevista. Que é diferente ouvir “sou fulano de tal” ou “sou o Zurita da Nestlé”. Você vai receber tratamento diferenciado. Pelo menos ele foi sincero em falar isso. O Amaury é uma pessoa única, né?

Qual é sua visão sobre esse mundo dos VIPs depois desse episódio?
É podre. Pura falsidade. Eu, me passando por outra pessoa, fui assediado por caras que fingiam me conhecer há 10, 15 anos. Só é bom para você agarrar mulher. Fora isso, é um mundo porco. As pessoas vivem de aparência. Eu sou o falso? Falso é quem me tratou bem achando que eu era alguém. Nesse caso, deram uma proporção maior por causa dos globais que estavam comigo. Até hoje me perguntam com que mulher eu fiquei na festa.

Com que mulher você ficou na festa?
Não conto. Só no livro que vou escrever. Mas exageraram nas histórias. Falaram que eu peguei três mulheres famosas e eu só peguei duas.

Você tinha um desejo de sacanear essas pessoas, de mostrar que podia pertencer àquele lugar mesmo sendo gordinho, meio careca, classe média?
Não. Eu frequentava essas festas porque, em primeiro lugar, a polícia nunca vai a esses lugares. Segundo, porque eu sempre tive bom gosto. Terceiro, porque, gordinho ou não, eu gosto de mulher. Lamentavelmente eu ia para arrumar mulher.

Como você compara a ética no mundo dos VIPs com a do mundo do crime?
Ah, cara, no crime tem mais ética. Até porque você é penalizado mais facilmente, então você sabe que não pode fazer determinadas coisas. Um estuprador é uma coisa inaceitável dentro do crime. No mundo dos VIPs, se o cara tiver grana e disser que não foi estupro, vira uma relação forçada, passa batido.

Exibindo uma de suas muitas carteiras falsas

Exibindo uma de suas muitas carteiras falsas

Apesar de ser considerado um grande golpista, você foi pego várias vezes, incluindo o caso da Gol. O que aconteceu nesses casos?
Se você analisar minha vida pregressa, vai ver que na maioria das vezes que fui preso foi por causa de mulher. Ou eu fiquei na cidade para ficar com uma mulher mais um dia ou porque tinha uma festa com muita gostosa. Teve um delegado federal que me falou uma vez: “Marcelo, prender você é a coisa mais simples do mundo. Pode fugir. Porque é só pegar uma festa boa que vem por aí e esperar por você”. E era isso mesmo. Eu não tava nem aí pro risco de ser preso, porque eu sempre tive a sagacidade de saber como sair. O que não faço mais hoje. Se quisesse ter fugido, já teria fugido.

 

Você se passou mesmo por líder do PCC numa rebelião no presídio de Bangu?
Isso foi uma falha de comunicação da Globo. Eu nunca me intitulei membro daquela facção. Meus amigos do PCC e do Comando Vermelho me nomearam para ser porta-voz da rebelião, porque eu sou articulado. Eu negociei com a polícia as condições para terminar a história sem violência. E, na prática, o negociador vira o líder da rebelião. Depois eu me dei mal por isso. Porque houve uma fuga e a polícia achou que eu era responsável. Apanhei da tropa de choque por nove horas seguidas. Nove horas de massagem intensa. Por isso eu decidi fugir depois, para mostrar que eu podia sair na hora que quisesse.

Você não tem medo de morrer quando sair? Por exemplo: seu ex-patrão no narcotráfico não pode se incomodar com sua vida nova?
Não. As pessoas dizem que não dá para sair do crime. Mas quem quer sai. Eu tenho uma boa relação com meu patrão até hoje. Mas ele sabe que não faço mais parte do casting dele. É uma pessoa com quem não vou mais conviver, pela minha nova opção de vida. Mas deixei as portas abertas para voltar pelos lugares onde passei. Sempre fui o melhor naquilo que me dediquei a ser. Mas agora quero usar minha inteligência para um lado bom. Só não vou fazer como Frank Abgnale [o golpista americano que inspirou o filme Prenda-me se for capaz, de Steven Spielberg, com Leonardo DiCaprio], que começou a combater fraudes para o governo americano. Não vou combater o que já fiz.

Já compararam você ao Abgnale? faz sentido?
Não. Até porque eu sou mais bonito que o Leonardo DiCaprio [risos]. Brincadeiras à parte, eu piloto avião, e ele não. E o ramo dele era mais falsificação. O meu é mais complexo, porque você tem que trabalhar só com inteligência, sem muita documentação. Não é fácil vender um equipamento que não existe para alguém que sabe tudo daquele equipamento.

Você tem algum ídolo?
Tenho vários, mas não no mundo do crime. O Bono, por exemplo, não só pela música, mas pelo bem que ele faz aos outros. O Chico Xavier. O Jô Soares. Eu queria ter um terço da inteligência dele. Quando ele disse pra Mariana [Caltabiano], no programa dele, que eu daria um bom escritor ou roteirista, eu pensei: “Se ele tá falando isso, é porque eu sirvo para alguma coisa”. Daí eu fui lá e escrevi o Fábrica de monstros, meu primeiro romance.

Você passa o dia escrevendo? Como é sua rotina na prisão?
Tomo banho de sol, como, leio, escrevo. Estou me dedicando a um novo livro, que tem como título provisório Pulgas, fugas e rugas, sobre minha vida dentro e fora do sistema prisional. Tem tudo o que não contei pra Mariana.

No livro da Mariana, tem uma frase que você disse para sua mãe: “É melhor viver bem por 30 anos do que viver na merda até os 70”. Ainda faz sentido?
Faz. Vou te dar um exemplo da minha família. Uma vez levei dois irmãos meus para viajar. Eles ficaram em hotel cinco estrelas, saíram com um monte de mulher, foram a lugares que nem sonhavam existir. Depois me falaram que foram os melhores dias de suas vidas. Eu fui o único cara da minha família que saiu de casa para fazer sua história. Bem ou mal, você está me entrevistando porque eu fiz bem-feito aquilo que me propus a fazer.

Você tem um filho de 10 anos. Ele sabe das suas histórias?
Ainda não. Quando eu sair da prisão, quero sentar com ele e conversar a respeito disso tudo.

Como está a vida amorosa na cadeia?
Vai bem. Eu tenho minha namorada, que vai virar minha esposa. Eu a conheci num episódio engraçado. Quando eu fugi da última vez, vim pro Mato Grosso e me passei por delegado federal. Nós nos conhecemos e saímos durante um mês, sem ela saber quem eu era, o meu nome real. Daí eu fui pra Rondônia e fui preso. Ela descobriu onde eu estava e pediu à diretora da prisão pra me visitar. Ela foi logo perguntando: “E aí, cara, o que você quer da sua vida?”. Eu disse: “Quero pagar minha pena, construir uma vida melhor”. Daí ela falou: “Então eu vou estar junto com você”. E está, desde aquela época.

Como você lida com a fama que veio com as reportagens, o livro, o filme?
Em geral, eu vejo como algo bom. Mas às vezes chega um preso novo falando: “Porra, queria ser que nem você. O que eu devo fazer?”. E eu respondo: “Cara, sai da prisão, vai estudar e trabalhar. Porque hoje no Brasil a malandragem é ser honesto”. Vou te dar um exemplo de um colega de cela que deu uma saída rapidinha e voltou pra prisão. Ele me disse: “Irmão, desisti do crime. Só vou pagar minha pena e vou embora”. “Por quê? Tá arrependido?” “Não. É que um cara que era meu vizinho, um bobão, tá com moto, carro, mulher, vivendo bem. E ganha R$ 700 por mês!” Quer dizer, antigamente você entrava pro crime para ter uma vida melhor. Mas agora já dá para viver bem longe do crime.

“Hoje no Brasil a malandragem é ser honesto. Dá para viver bem longe do crime”

Você entrou para o crime por causa do luxo?
Se tivesse contente com aquela vida de classe média, eu teria ficado em casa. E estaria bem hoje. Mas levaria mais tempo e o trabalho seria mais árduo. O meu foi prazeroso. Se você entra pro crime comendo pão com manteiga, é porque quer comer pão com presunto. Ninguém entra pro crime por tesão, cara... Se bem que tem sim. Por isso é que eu não admito que meu filho escute rap. Coisa mais ridícula uma criança dizendo “quando eu crescer eu quero ser 157”.
Você se surpreendeu com o sucesso do livro?

Muito. Não achei que o livro fosse ter futuro algum, até porque não achava minha história interessante. Mas, quando eu fugi da última vez, vi várias comunidades sobre mim na internet.

E a coisa deve aumentar com o filme VIPs, que é uma grande produção...
Fiquei muito feliz em relação ao filme. Mas, cara, não me pergunta sobre o Wagner Moura.

Por quê?
Ele é um cara competente, mas com pouca sagacidade. Já que ele está me representando, ele deveria ter estudado um pouco a minha vida, porque aí ele não teria a infeliz ideia de dar uma declaração idiota dizendo que não queria me conhecer porque eu roubo dinheiro de velhinha. Só se eu roubei da vó dele. Nunca roubei de quem não tem. Sempre de quem tem.

“O Wagner Moura deveria ter mais honra de me representar do que de fazer o Capitão Nascimento”

Você já viu o filme?
Não, mas sei que o Wagner Moura foi uma escolha infeliz, apesar de ele ter feito um bom trabalho, porque ganhou prêmio [de melhor ator no Festival do Rio]. Só que ele deveria ter buscado conhecer quem sou eu. Garanto que ele teria mais honra de me representar do que interpretar um capitão da PM que comandava um esquadrão de justiceiros que fazia julgamentos por conta própria, que executava com pose de herói. Esse cara o Wagner Moura tem honra de fazer? Caso esse ator não se lembre, em Carandiru ele fazia o papel de um noiado que matou o colega de cela que tentou evitar que ele usasse drogas. Disso ele não tem vergonha? Ninguém obrigou ele a aceitar esse papel, e muito menos eu o convidei. Desde o início eu preferia o Selton Mello.

Só pra concluir: Você mentiu muito nesta entrevista?
Não teria graça dar entrevista mentindo sobre mim. Não estou aqui para te dar um golpe.

PÁGINAS NEGRAS

comentários

A Trip se reserva o direito de excluir comentários ofensivos

Deseja comentar?

 usuário Trip



» Esqueci minha senha

» Conheça as vantagens de ser cadastrado

» Cadastre-se na Trip para obter uma conta gratuita

 convidado