Olhe por onde anda

As árvores mais apropriadas para as calçadas de SP

por Adriana Victorelli em

Tpm

Nas última semanas, rajadas fortes de vento em São Paulo resultaram em muitas árvores caídas pelas ruas, inclusive com vítimas. Uma delas atingiu o meu carro. Mas dos males o menor, felizmente não fui ferida.

Luto por uma cidade mais verde, mais arborizada e cheia de vida e cada vez que vejo estas árvores gigantes plantadas em calçadas minúsculas concluo o quanto faz falta uma politica de educação do verde e meio ambiente. Além disso, sempre defendo que o trânsito, poluição e caos de São Paulo são reflexos da falta de prioridade que dão para os pedestres além da já divulgada falta de opções em transporte público de qualidade.

Antes que vire um texto muito político vamos voltar ao foco: dicas de arquitetura, decoração e paisagismo. Porque cai tanta árvore em Sao Paulo? Já ouvi de tudo: que elas estão velhas, que a companhia de energia não as podou corretamente, que elas estao podres e já estavam no fim da vida... injusticas à parte, na maioria dos casos, as árvores caem por estarem plantadas em lugar inadequado ao seu porte. Para evitar estes problemas vou aproveitar a coluna de hoje e citar espécies adequadas e proporcionais às calçadas das nossas cidades.

Infelizmente as calçadas de São Paulo são, em sua maioria, pequenas, mal cuidadas, com desníveis absurdos, com postes e outros obstáculos que tomam parte do passeio, além da falta de padronização e fiscalização que contribuem para os abandonos que vemos por aí. Se você está construindo uma casa ou quer reformar sua calçada vou dar algumas dicas que contribuirão para uma cidade mais verde e generosa para os pedestres. 

1º - Escolha especies adequadas: arvoretas que não ultrapassem 6m de altura, com raízes não agressivas e nem aéreas como a Resedá (Lagerstroemia indica), Pitangueira (Eugenia uniflora L.), Acer (Acer palmatum ou Acer Buergerianum), Pata de Vaca (Bauhinia forficata). Elas consomem pouco espaco de tronco, nao alcançam alturas homéricas e nem estragarão seu pavimento.

2º - Se sua calçada tiver mais de 2 metros de largura, reserve uma faixa do calçamento para plantar um gramado. A espécie mais resistente e que sobrevive em áreas sombreadas é a São Carlos (Axonopus compressus), assim você colabora aumentando a area permeável da cidade. 

3º - Se tiver o lado cidadão-exemplar aflorado, doe parte da área de jardim ou recuo do seu terreno para a calcada. Se todos contribuírem, as calçadas serao mais generosas, as pessoas terão mais ânimo em andar pelas ruas e, quem sabe, até o trânsito nao fica melhor?

Vale lembrar que a prefeitura de São Paulo tem um manual para orientar os cidadãos na hora de planejar/executar sua calçada. Basta solicitar seu exemplar na subprefeitura mais próxima.  

 

(* Adriana Victorelli é arquiteta da Neo Arq. Twitter: @neo_arq)


Arquivado em: Tpm