Trans-Asia

Conheça o trem que liga a capital da Turquia a Teerã desde 2002. O caminho é o mesmo seguido pelo viajante Marco Polo ao percorrer a antiga Rota da Seda até a China

por Alexandre Rodrigues em

Trip / Viagem / Viagem

O trem chegou no fim da noite a Van, cidade que fica numa região montanhosa da Anatólia, noroeste da Turquia. Partiu 1 hora depois. A partir daí, a viagem no Trans Asia Express torna-se uma jornada por diversas rupturas. A primeira delas: Ancara, ponto de partida, reúne características da Europa e da Ásia, mas quando se cruza a fronteira com o Irã é como entrar em outro mundo.

O Trans Asia é um trem de turismo que liga a capital da Turquia a Teerã desde 2002. O caminho é o mesmo seguido pelo viajante Marco Polo (1254-1324) ao percorrer a antiga Rota da Seda até a China. Muito da paisagem milenar continua igual, mas o Irã é desde 1979 uma república islâmica e um dos países mais fechados do mundo. Quando o trem cruza a fronteira, as mulheres são obrigadas a cobrir os cabelos com o hijab, o véu islâmico. Já na primeira estação, em Razi, um grande painel do aiatolá Khomeini, líder da revolução iraniana, toma a vista.

Os iranianos são xiitas, vertente do islamismo mais radical do que a sunita, da maioria dos países árabes e da Turquia. Há 35 anos, em plebiscito, eles decidiram adotar a sharia, a lei islâmica. Dentro do país, seguem preceitos do tempo de Maomé, no século VII.

Do lado de fora, a paisagem muda. Terminam os desertos turcos e surgem vales com paredões de pedra e grandes montanhas cobertas de neve. A região, próxima do Azerbaidjão, é única em sua variedade e inclui ainda campos gelados de vegetação baixa, lagos e rios. Quando a civilização começa, há pastores de ovelhas e pessoas vivendo em casas feitas de barro e lama, como há milhares de anos, e dezenas de quilômetros de pedreiras e fábricas. Só depois de 8 horas se avista a primeira cidade: Tabriz.

Nas horas seguintes, há tempo para conhecer os outros passageiros. Um ex-expatriado conta que deixou o país na época da revolução e viajou pelo mundo durante três décadas, mas teve vontade de voltar. Um motorista sonha ser campeão de MMA e um grupo de estudantes franceses teme hostilidades por causa do atentado em Paris, em janeiro.

O desembarque em Teerã só ocorre depois de 28 horas – 66 horas para quem embarcou na estação inicial, Ancara. Cansados, os passageiros são recebidos por mais uma foto de Khomeini. O que causa a sensação de que este é o fim de uma viagem no tempo.

Arquivado em: Trip / Viagem / Viagem