Para mim, com carinho: Coraci Ruiz

Mulheres que contaram nas redes sociais seus primeiros assédios escrevem uma carta para si mesmas quando mais novas

por Coraci Ruiz em

Tpm / Ativismo

Minha querida,

Hoje uma coisa estranha aconteceu. Sei que você ainda não entende exatamente o que foi. Mas você sente que foi agressivo, ruim e sem explicação. Se eu pudesse te dar apenas um conselho, diria para contar para a sua mãe. Ela vai poder ajudar. Sei que você sente vergonha, mas é importante não guardar isso para si, e sabe por que? Porque o que aconteceu hoje não é culpa sua e muito menos é um problema só seu. É um problema de todas as meninas e de todas as mulheres. O que aconteceu se chama machismo. É uma palavra estranha que quer dizer uma coisa horrível: na nossa sociedade, os homens e as mulheres não vivem em igualdade, não tem os mesmos direitos. E por isso alguns homens se sentem autorizados a ter esse tipo de atitude, a fazer as mulheres se sentirem muito mal. Mas você tem que lembrar de uma coisa: eles estão errados. Eles. Por isso ser mulher é incrível, mas também um pouco difícil: porque você vai ter que aprender e também ensinar quais são os seus direitos. Você vai ter que dizer para você mesma e para os outros o que você quer e o que você não quer. Dá um trabalhão, às vezes parece que não vai dar certo, mas é necessário. E como eu já disse, não é só você. Todas as suas amigas e todas as meninas e mulheres que você nem conhece vão ter que fazer a mesma coisa. Então, sabe qual é o segredo? Vocês tem que se ajudar. As mulheres têm que estar juntas, cuidar umas das outras. Pra isso é importante sempre contar o que acontece comvocê para a sua mãe e para as suas amigas. É importante sempre estar disposta a ouvi-las também. E acima de tudo, saber procurar e oferecer ajuda. Lembra daquele disco que você sempre gostou de ouvir, "os saltimbancos"? Tem uma música que diz assim: "todos juntos somos fortes, somos flecha e somos arco. Todos nós no mesmo barco não há nada a temer. Ao meu lado há um amigo que é preciso proteger...”. É isso. Você, suas amigas, as amigas das suas amigas e todas as outras estão no mesmo barco. E em grupo serão muito mais fortes. Então não esqueça: fiquem juntas, contem umas com as outras e façam muito, muito barulho! E nunca, nunca mesmo, deixe de plantar bananeiras! Tenho certeza que vai dar certo!

Um abraço muito forte

...

Coraci Ruiz, hoje com 37 anos, era assediada pelas amigos de escola, aos 9 anos. Indignada, ela contou no Facebook a história de seu #PrimeiroAssedio. 


Arquivado em: Tpm / Ativismo