A luta de Andrea Dip

'Sigo citando a jornalista francesa Benoîte Groult: ‘O feminismo nunca matou ninguém. O machismo mata todos os dias’'

por Andrea Dip em

Tpm / Comportamento / Ativismo

Nascer mulher já nos coloca em várias batalhas diárias, seja essa nossa vontade ou não.

Cada vez que a gente precisa escolher a roupa que vai vestir pensando no trajeto que vai fazer, cada vez que somos abordadas nas ruas com cantadas ofensivas ou sentimos medo de andar por um lugar ermo, quando ganhamos menos nos nossos empregos, cada vez que nossa capacidade, habilidade e competência são medidas apenas por parâmetros de gênero ou beleza, que nosso seio serve para vender produtos mas não nos é permitido amamentar em público ou protestar, somos colocadas dentro de um campo de guerra.

Se lutamos ou não, se nos levantamos contra isso ou tentamos ignorar pra não doer tanto, essas sim são escolhas pessoais. Tenho aprendido isso ao longo desses vários anos escrevendo reportagens sobre violações de direitos das mulheres. Conheço verdadeiras guerreiras que, em situação de extrema vulnerabilidade e sofrimento, transformam sua dor em luta, se unem a outras mulheres fortes e se levantam gigantes contra seus algozes. Me emociono cada vez que me encontro com mais pedacinhos dessa rede de mulheres que se apoiam e se ajudam. Elas me inspiram a lutar também na minha vida pessoal, não aceitando reducionismos, relacionamentos abusivos, abordagens ofensivas, tentando discutir essas questões sempre que possível com homens e mulheres queridxs, tentando mostrar que nossa luta é urgente, necessária e que nossa união é poderosa e transformadora.

Enquanto mulheres são exploradas, violentadas e mortas apenas por serem mulheres - e enquanto ainda somos culpabilizadas por isso – sigo citando a jornalista francesa Benoîte Groult: ‘O feminismo nunca matou ninguém. O machismo mata todos os dias’.

*Andrea Dip, jornalista ganhadora do prêmio Tim Lopes de Jornalismo Investigativo pela reportagem e HQ Meninas em Jogo, que fala sobre exploração sexual de meninas brasileiras durante a Copa do Mundo. Andrea também faz parte do time da Agência Pública de Jornalismo.

Veja outras lutas em nosso especial #mulheresquelutam

Arquivado em: Tpm / Comportamento / Ativismo