O chacra da pança

Nosso repórter excepcional, que mal consegue cuidar do próprio umbigo, vai à Índia e descobre a fonte de poder que há sob a indefectível barriguinha dos gurus

por Arthur Veríssimo em

Trip


Caminho a passos largos diante do tsunami de seres humanos que circulam no vaivém do Khumba Mela, festival hinduísta que toma, de tempos em tempos, a cidade de Allahabad. Sou deslocado pelo frenesi da massa humana que se espreme no setor três, músculo cardíaco deste organismo com mais de 70 milhões de pessoas. Um êxodo bíblico de proporções inimagináveis. Nesta área, encontra-se o suprassumo dos saddhus (homens santos), dos peregrinos e das organizações religiosas milenares. Minha energia circula livremente, como um rio límpido, observando comportamento, visual, postura e hábitos dos gurus e do povo em geral. Detecto que uma parte dos homens carrega uma barriga avantajada. Mesmo os magrinhos cultivam uma pancinha desequilibrada. Sinto minha barriga tremer de emoção e percebo que o terceiro chacra, o manipura, se manifesta. Controlo fazendo algumas contrações e exercícios respiratórios. Pela graça divina das águas do Ganges, não existe nenhum problema gástrico. Do setor três, me desloco para a beira do rio Yamuna e atravesso solenemente de barco para o setor 13, onde estou acampado. Ali está concentrada a sangha (família espiritual) e os discípulos do guru Sri Prem Baba, brasileiro que virou guru e que entrevistei para a Trip há três anos. Tenho um encontro ao cair da tarde com Sri Prem Baba e, aproveitando o ensejo, pergunto justamente sobre o funcionamento do chacra do umbigo.

Qual a função do terceiro chacra?
O terceiro chacra, conhecido como chacra solar, é a sede do poder. Quando está ativo e girando no ritmo adequado, o ser humano manifesta o poder em sua forma pura. O poder que constrói, que está a serviço do amor, que pode gerar união, saúde, realização. Ao mesmo tempo, ele é a sede do ego. Quando seu poder está contaminado pelo egoísmo e pelo ódio, seu filho predileto, torna-se destrutivo. Vira agressividade, violência.

É um chacra vulnerável? Podemos neutralizar esse efeito com exercícios?
Ioga e taichi ajudam a fortalecer esse centro de energia e os órgãos relacionados a ele. Mas o que realmente possibilita que o terceiro chacra gire da forma correta é o autoconhecimento: identificar os aspectos da personalidade que distorcem esse atributo divino e, em seguida, realizar o árduo trabalho da transformação.

Os sintomas negativos são raiva, medo e problemas digestivos?
Fisicamente, esse chacra comanda o aparelho digestivo, e o estômago é seu principal órgão. Então, quando seu poder é usado indevidamente, há tendência a problemas gastrointestinais: os órgãos da região ficam enfraquecidos. Mas o principal aspecto nocivo é o uso indevido do poder.

As emoções ficam comprometidas?
E a ação também. A ação é fruto do poder. Se o poder é contaminado pelo ódio, a ação também é. Estamos falando da energia masculina, do poder de ação. Muitas vezes, para não gerar destruição, a pessoa se paralisa. Ela sabe o que precisa fazer, mas não consegue. Isso pode ser entendido como preguiça, depressão, falta de entusiasmo. Mas é um mecanismo autorregulador: ela sabe que, se fizer, vai gerar destruição. Muitos indicam exercícios físicos, energéticos, respiratórios e posturas de ioga que ajudam a reequilibrar o chacra. Mas essa melhora é temporária, porque estamos tratando o sintoma e não a causa. Para que haja solução definitiva, a pessoa tem que ter disposição para voltar a atenção para si mesma e entender o que está gerando o distúrbio.

Notei que aqui há homens hindus com pança avantajada.
[Risos] Você sabe que existe um ditado por aqui que diz que todo guru tem tendência à pancinha? Porque ele relaxa demais e o abdome relaxado tende a crescer.

Existe diferença entre o terceiro chacra nos homens e nas mulheres?
Não. Tanto na mulher quanto no homem é o chacra do poder e do ego. Mas a distorção do poder masculino é a agressividade, enquanto a do poder feminino, além da violência, pode ser a vitimização, a submissão.

Quem come muito pode fazer isso por desequilíbrio desse chacra? Ele tem relação com o prazer de comer?
Tem. Quando existe a distorção desse atributo divino que é o poder, quando o ego está no comando, há ansiedade, essa certeza de que falta algo que não se sabe o que é. É muito fácil preencher esse vazio com comida. O ser humano é educado assim. Sempre que tem um desconforto, vem um docinho, uma comidinha. Assim ele tenta fugir da angústia existencial de não saber quem é, de estar sob a tirania do ego.

Arquivado em: Trip