Como o isolamento impacta seu ideal de beleza?

A atriz Bárbara Colen e mais seis mulheres refletem sobre quais rituais de beleza ainda fazem sentido em meio à pandemia

Por Nathalia Zaccaro 30 de julho de 2020 Compartilhar

O mundo está em colapso. Mas isso não significa que nossa autoestima precise seguir o mesmo caminho. A pandemia se estabeleceu em nossas vidas e afastou das rotinas um elemento central na construção de nossa imagem: o olhar do outro. Isoladas, temos uma oportunidade única. Quando ninguém te vê, o que realmente te importa?

De frente com o espelho, mulheres de diferentes perfis estão conseguindo sacar quais rituais de beleza fazem sentido e quais são, na real, prisões. Ir a um salão de beleza virou uma miragem. Dominar as tecnologias para cuidar dos próprios pelos, cabelos e cutículas ganha outra importância nesse novo contexto. Demos um rolê pela intimidade de mulheres de várias regiões do país para trocar descobertas sobre depilação, maquiagem, peso, cabelos, identidade e bem-estar. 


Bárbara Colen e a nova fase de um DR antiga

34 anos, atriz em Belo Horizonte

Bárbara Colen: "Vou comer o que me der prazer, sem me preocupar. Mas isso fez com que eu engordasse aqueles dois quilinhos"

Créditos: Ethel Braga

"Sempre tive que lidar com o fator peso, tenho tendência a engordar. Sempre me controlei e fiz muito exercício. Agora isso está limitado. Na quarentena tem a coisa de engordar. Existe todo um prazer em cozinhar, tomar um vinho. Os rituais de comida são uma parte boa do cotidiano, considerando que esses prazeres são tão escassos agora, nessa rotina limitada. Me libertei nesse sentido. Vou comer o que me der prazer, sem me preocupar tanto com isso. Mas isso fez com que eu engordasse aqueles dois quilinhos e que a roupa ficasse mais apertada. Eu vivo esse dilema. Estou me permitindo liberdades nesse sentido, apesar de ser conflituoso. Me permito, mas tem uma culpa. Eu trabalho com corpo então, na vida normal, essa demanda é objetiva. Se eu começo um filme com um peso, tenho que terminar com o mesmo peso. Agora isso está mais fácil.

A questão do envelhecimento pega muito também para uma atriz. Eu tenho que aproveitar o tempo que tenho para fazer uma gama de personagens. E aí vou parar um ano de trabalho. Eu tinha quatro filmes para 2020. Precisei aceitar que isso é inevitável, assim como envelhecer. Também cortei meu cabelo sozinha pela primeira vez, com a tranquilidade de poder errar. Corte a franja, ficou mais ou menos. Meu cabelo estava sem forma, virando uma coisa estranha. A franja traz uma sensação de leveza. Tentei fazer, mas não tive muito êxito não. Mas tá tudo certo."


Natália Lobo e a beleza de vir de onde eu vim

 24 anos, artista no Amapá

Natália Lobo: "Tenho me pintado bem mais do que faria se estivesse saindo de casa."

Crédito: Ethel Braga

"Eu nasci em Belém, no Pará, mas moro em Macapá. Mesmo sendo uma mulher indígena, fui criada no contexto urbano. Tenho vivido um processo de retomada da minha identidade, da minha descendência tupinambá. Entendi que é necessário que eu me posicione mais. Existe uma pluralidade de realidades indígenas, mas as pessoas insistem em nos congelar no século 16. Fui começando a me reconhecer e a ser reconhecida pelo meu povo de origem, é um processo lento e cuidadoso.

Me sinto mais à vontade esteticamente quando estou com os grafismos, quando estou pintada, mas isso tende a gerar um olhar exotizado sobre meu corpo. Durante a quarentena, tenho me pintado bem mais do que faria se estivesse saindo de casa. Tenho conseguido externalizar melhor quem sou longe desses olhares exteriores.

Outra coisa que senti é que mulheres que não se conhecem estão criando uma rede de apoio. Não só as indígenas, mas também de contextos diferentes. Nesse período a gente precisa fortalecer a saúde mental, conversar. Essas mulheres me ensinam muitas coisas. Aprendi com uma outra mulher que mora em Goiás uma receita com babosa para manter o cabelo hidratado, por exemplo."


Thaize Oliveira e as cores da reconciliação

 42 anos, produtora no Rio de Janeiro

Thaize Oliveira: "Já fiz promessa: só pinto o cabelo de novo quando existir uma vacina para a covid-19."

Crédito: Arquivo pessoal

"Meus rituais de beleza mudaram completamente durante o isolamento. Sempre pintei o cabelo a cada mini branquinho que surgia, agora não pinto mais. Descobri que eu nem sou tão grisalha assim. Não sei porque eu pintava tanto, meu cabelo nem fica tão branco. Era um desespero pensar que eu estava envelhecendo. Me toquei que era muita ansiedade. Acho que agora vou conseguir ficar mais tranquila com isso. Eu achava que, se ficasse um mês sem pintar o cabelo, ia acordar a rainha da Inglaterra e descobri que na verdade nem faz tanta diferença assim no meu visual. Foi muito louco. Eu tacava tinta e química de 15 em 15 dias. Acho que isso vai mudar mesmo depois da quarentena. Entendi que não preciso estar sempre com cabelo feito, unha pintada, depilada. Era uma coisa meio robótica. Aos 42 anos, entendi que não estou feia por não estar fazendo isso. Me olho no espelho e me reconheço. Já vi tantas pessoas lindas que deixaram o cabelo livre de tinta… Vou me permitir me conhecer. Já fiz promessa: só pinto de novo quando existir uma vacina para a Covid-19."


Kika Sena está experimentando experimentar 

25 anos, artista no Acre

Kika Sena: "Quero produzir novos padrões de beleza e usar maquiagem como um recurso."

Crédito: @sarabichaa

"Quando saía de casa, eu me arrumava pensando na transfobia. Porque a gente tem que parecer o máximo possível ser cisgênero para não sofrer transfobia. E cansa sofrer transfobia e precisar revidar o tempo todo. Agora tenho deixado isso um pouco de lado. Estou tirando meus pelos com menos frequência, mas quando percebo que aquilo me incomoda, eu tiro. Mesmo que eu saia de máscara na rua, os pelos do rosto me incomodam e, por enquanto, não quero lidar com isso. Então eu tiro.  

Eu nunca fui de me maquiar, mas, na quarentena, tenho aproveitado para colocar minha cara – e meus pensamentos – pra jogo na internet. E tenho experimentado me maquiar. Quero produzir novos padrões de beleza e usar maquiagem como um recurso. Tenho me sentido mais bonita, gosto de inventar minhas próprias modas e fazer eu mesma as alterações no meu corpo. De algum modo, para negar um padrão imposto, talvez eu não queira estar nesse lugar da mulher trans muito montada, maquiada. Queria dizer que isso pra mim era diferente. E é. Mas posso querer também experimentar."


Krishna, ao seu bel-prazer

 24 anos, influencer no Rio de Janeiro

Krishna: "Quero entender os pelos como os cabelos, que você pode ou não cortar. É sobre liberdade."

Créditos: Arquivo pessoal

"Adoro me expor na internet e muita gente me segue pela minha autoestima. Esse tempo em casa ajuda a gente a entender melhor como o olhar do outro impacta na nossa imagem. Começamos a relaxar em certas coisas. Acabei entendendo que o que importa pra mim não é ter ou não ter pelos por algum motivo. Quero entender os pelos como os cabelos, que você pode ou não cortar. É sobre liberdade, não precisa expressar nada pra ninguém. Quero tirar e colocar sem que isso seja uma declaração de alguma coisa. Eu tirei os meus há pouco tempo porque estavam grandes demais, agora estou deixando crescer de novo. 

Minha relação com maquiagem mudou. Estou usando esse tempo para experimentar algo pelo qual nunca tinha me interessado: maquiagem como forma de expressão. Eu achava que, se me maquiasse, eu não seria eu mesma. Mas entendi que não sou menos eu por usar maquiagem. O está rolando também é que me sinto desempoderada sem fazer a sobrancelha. Me olho no espelho e me sinto feia. Quero aprender a fazer eu mesma. Vi uns tutoriais, ainda não deu muito certo. Mas a prática vai levando. Tô tentando."


Dandara Fonseca: encarando o que tiver pra encarar

21 anos, estudante em São Paulo

Dandara Fonseca: "Percebi que o que faltava para eu realmente não me depilar mais era perceber que isso vem de uma insegurança em relação aos outros."

Créditos: Arquivo pessoal

"Sempre odiei me depilar. Eu já tentava deixar os pelos crescerem, mas me sentia desconfortável com as pessoas olhando. Agora estou conseguindo. Durante a quarentena, eu percebi que o que faltava para eu realmente não me depilar mais era perceber que isso vem de uma insegurança em relação aos outros. É preciso criar coragem para lidar com os olhares. E isso é mais difícil para mulheres negras ou fora do padrão. É mais difícil ir contra o padrão quando você já é inferiorizada.

Já a maquiagem veio para aumentar autoestima, é algo legal. Comprei 200 reais em maquiagem durante a quarentena. Entrei também nesse mundo do skin care. São momentos legais comigo mesma. Esse tempo da quarentena nos ajuda a perceber o que a gente faz pela gente e o que fazemos pelos outros." 


Stefanie Tiscordio se olha no espelho e sorri

 30 anos, coordenadora de arte em São Paulo


Stefanie Tiscordio: "Quando olhei no espelho e me vi com a cabeça raspada foi muito gostoso, eu sorri. Era o que eu queria."

Crédito: Arquivo pessoal

"Há um ano eu pensava em cortar o cabelo bem curtinho. A quarentena foi a oportunidade de raspar a cabeça e ver no que vai dar. Comprei uma maquininha pela internet e raspei sozinha. Foi uma experiência bem minha. Quando olhei no espelho e me vi com a cabeça raspada foi muito gostoso, eu sorri. Era o que eu queria. É bem mais prático, lavo o cabelo com um gota de shampoo. Senti um empoderamento de que não preciso de ninguém pra me sentir bem, bonita. Também não me depilo mais, tô super peluda. Simplesmente não estou me importando, não sei se vou ficar assim pra sempre. A quarentena é como um laboratório, podemos experimentar outras coisas. Já raspei duas vezes a cabeça e sinto que mudou como eu me sinto quando estou na rua, ainda mais agora, com a máscara. Me sinto mais segura."

Sobre o autor
Nathalia Zaccaro

Jornalista

Matérias relacionadas