por Piti Vieira
Trip #260

Conhecido como Spook no circuito, Rafael Paiva possui quatro patrocinadores e foi o único brasileiro qualificado para o mundial realizado na ilha havaiana de Oahu

O produtor e diretor de vídeo Rafael Paiva precisou comprar um drone para fazer uma filmagem aérea para um trabalho. Um mês depois, já estava fazendo o aparelho voar entre galhos de árvores. Logo descobriu o mundo das corridas de drones.

Hoje, Rafael, que também pratica surf, motocross e skate, é o melhor piloto de corrida de drones do Brasil. Conhecido como Spook no circuito, possui quatro patrocinadores e foi o único brasileiro qualificado para o mundial realizado na ilha havaiana de Oahu entre os dias 17 e 22 de outubro. “Treino pelo menos 5 horas por dia. No mundial competi na categoria individual. Me qualifiquei em 23º de cem pilotos, mas no dia da final tive problemas com o equipamento. Também fui convidado pelo time do Reino Unido para me juntar a eles na competição por equipes e acabamos em terceiro”, conta ele.

LEIA TAMBÉM: Como os drones vão revolucionar o jornalismo e o cinema

Nas corridas, a distância entre os pilotos e seus drones chega a ser de até 1 quilômetro. Para saber onde o aparelho está, eles usam óculos de realidade virtual ligados a uma câmera nas pequenas aeronaves, menores que os drones comuns, que chegam a 130 quilômetros por hora, são feitas de fibra de carbono e possuem luzes LED para serem identificadas durante as provas.

Vai lá: youtube.com/spookfpv

Créditos

Imagem principal: Arquivo pessoal

matérias relacionadas