por Paulo Lima
Trip #260

Paulo Lima: Felizmente acho que não sei exatamente o que a Trip é. Mas é exatamente isso que a mantém sexy, contemporânea e pulsando energizada três décadas depois

Escrevo este editorial sob o efeito inebriante da cerimônia de entrega da décima edição do Prêmio Trip Transformadores, no último dia 8 de novembro. É uma noite que tem um estranho e mágico poder: ela consegue tirar todos nós do turbilhão maluco que nos draga todos os dias na correria desembestada atrás de metas, dinheiro, prazos, conquistas e pequenos prazeres. De verdade. E quem já esteve numa dessas dez celebrações sabe do que eu estou falando, essa noite tem esse poder.

Ao mesmo tempo em que comemoramos o décimo ano do prêmio, celebramos também os 30 anos da Trip. Vou pedir licença então pra falar um pouco sobre isso.

Num país como o Brasil, celebrar 30 anos de uma empresa não ligada a nenhuma estrutura de capital e independente (ou interdependente, como talvez seja mais adequado definir) já é por si só motivo de muita comemoração. Se essa empresa tiver como objetivo propor reflexão de qualidade e trabalhar com todos os fundamentos e significados da cultura, podemos dizer que a façanha é ainda maior.

Uma das coisas que nos fizeram chegar aqui com alguma coerência e sentindo orgulho genuíno do que fazemos é o fato de que a Trip sempre soube se transformar. Acho que somos um experimento permanente que nunca perdeu contato com aquilo que realmente nos move, que é a vontade de produzir boa reflexão sobre a vida e contribuir, ainda que modestamente, para a evolução de cada um de nós, do país e, por que não, do mundo.

Uma coisa certamente não mudou. Continuamos sendo um grupo difícil de definir e de descrever. Se em 1986 tínhamos uma revista que nem o mercado nem a gente mesmo conseguia fazer caber numa das prateleiras existentes ou em algum rótulo conhecido, hoje, 30 anos depois, e agora numa dimensão significativamente mais robusta, continuamos sendo uma porção de coisas difíceis de definir.

Pois é, felizmente acho que não sei exatamente o que a Trip é. Mas é exatamente isso que a mantém sexy, contemporânea e pulsando energizada 30 anos depois...

Estava pensando e acho que começamos como uma marca que queria ser lida pelas pessoas e ao longo do tempo descobrimos que o nosso negócio na verdade é ler as pessoas.

No fim e ao cabo é isso que a gente realmente gosta de fazer. Seja nas centenas de vídeos que produzimos, nos canais digitais que nos levam a milhões de pessoas, nos eventos que encantam, no rádio, na TV, nas intervenções na comunicação estratégica de algumas das maiores empresas do Brasil e do mundo ou nas revistas que editamos.

E é isso também o que nos mantém num nível seguro de distanciamento do rodamoinho do tal turbilhão que dragou e draga tanta gente boa. Esta edição é dedicada a este tema. E tudo o que fazemos é voltado ao nobre objetivo de não deixar que nos afoguemos no fosso da mediocridade. Ou, para citar outra vez o que disse Oscar Niemeyer algumas décadas atrás em nossas Páginas Negras, para que nos livremos da terrível possibilidade de, ao fim dos nossos dias, descobrirmos que tivemos “uma vida merda”...

matérias relacionadas