É incrível conhecer a brutalidade da vida e ainda acreditar no ser humano, mas não adianta buscar me convencer do contrário

Há bastante tempo sei que nós construímos a nós mesmos com os valores que nos interessam. Também com nossas escolhas e ações, pensamentos e sentimentos, enfim, com o que somos. Nada nem ninguém que não tenha a nossa permissão entrará no núcleo firme em volta do qual nos organizamos. O que somos é intocável. Mas somente à medida que nos tornamos fortes para nos determinar e rechaçar qualquer ameaça de invasão.

LEIA TAMBÉM: "Tempo passado, tempo futuro", por Luiz Alberto Mendes

Aos 19 anos de idade fui preso em um tiroteio. Fiquei três meses nas garras dos torturadores do Deic. Passei por todo tipo de tortura: pau de arara; pau de esculacho; pau de afogamento; pau de estrada e por aí afora. Constantemente eles arrancavam minha roupa e me colocavam no pau de arara. Enfiavam um fio em meu ânus e com outro enrolavam a glande de meu sexo. Acionavam o dínamo e eu recebia uma violenta descarga elétrica. O corpo saltava involuntariamente; a sensação de repuxo causada pelo choque elétrico é inexplicável. É intermitente, parece ter vida própria a pulsar dentro da gente. Insuportável. Eles me queimaram vivo com o calor gerado pelo choque. Virei cinzeiro: apagavam cigarros e charutos em minha pele e jogavam cinza em minha cabeça. Arrancaram as unhas de meu pé a pauladas; até hoje elas já nascem encravadas. Tenho problemas intestinais de tanto soco e pontapé que tomei na área. Não posso raspar minha cabeça careca porque ela parece o mapa do inferno, de tantas costuras e cortes. Vou parar com essas “lembrancinhas”. Daqui a pouco choro com dó daquele moleque ingênuo e bobalhão que fui e começa a doer tudo novamente.

Animal ou ser humano?

Vivi extremos que só não foram inúteis porque aprendi muito com a dor, com a alegria, com o sucesso e principalmente com os inúmeros fracassos. Mandado para a prisão de fato, cumpri 31 anos e 10 meses. Fui preso com 19 e sai com 51 anos. Não foram anos perdidos. Não permiti que o fossem. Comecei a afiar minha vontade, como se afiasse o corte de uma faca da qual dependesse minha existência (e às vezes isso era literal). Houve um momento em que todos os valores que havia aprendido na luta pela sobrevivência fragilizaram-se demais. Cristais se quebrariam com aquele som dolorido. Fui encostado na parede e a pergunta era: você é um ser humano ou um animal? Os novos valores e conhecimentos que a dor, a angústia e o livro me levaram a buscar, em princípio, eram intrigantes. A maioria eu nem tinha ideia do que se tratava. Descobri, lá do fundo de minha vaidade e orgulho, que precisava avançar, seguir em frente. Eu ainda os surpreenderia. O orgulho era maior que a dor.

Conhecia o lado negro da vida com profundidade. Lidava bem com a violência, a brutalidade, a estupidez e a maldade. Sabia de tudo sobre a dor e o sofrimento. Sabia bem quem era o ser humano. Estava defendido e preparado para enfrentar qualquer tipo de abuso. Foi então que o amor de verdade, aquele que só quer o bem do outro, mesmo que em detrimento de nosso próprio bem, surgiu. Foi uma das maiores revelações com que a vida me presenteou. A generosidade, a abnegação, o carinho, a ternura e o afeto foram outras. E me convenceram, profundamente. Sei que não vou conseguir descrever a emoção, o choque, a surpresa e o alívio que foi saber que existe gente boa no mundo! Até então só minha mãe havia sido boa para mim. Os outros só quiseram me usar e aproveitar.

Hoje dá até enjoo lembrar aquilo tudo. Escrevo sobre o assunto a pulso. Não tenho mais estômago para aquela loucura toda. É incrível ter tais vivências e estudos e ainda acreditar no ser humano. Acreditar que todos somos capazes de nos tornarmos melhores. Não adianta buscarem me convencer do contrário. Já tentaram, até com ameaças. É meu núcleo firme, rígido e onde sou intocável.

LEIA TAMBÉM: Todos os textos de Luiz Alberto Mendes

Créditos

Foto principal: Globo Filmes/Divulgação

matérias relacionadas