por Nathalia Zaccaro

Júlio Andrade gravou Daniel de Oliveira perdido na neve e nunca divulgou as imagens. Anos depois, as cenas captadas na Itália ilustram clipe de Gui Amabis e são exibidas pela primeira vez na Trip

Lançado em 2015, o longa A Estrada 47, dirigido por Vicente Ferraz, conta a história de um grupo de soldados brasileiros que se perde do resto da tropa em meio à neve europeia durante a Segunda Guerra Mundial. Os atores Júlio Andrade e Daniel de Oliveira estavam na Itália gravando o filme quando decidiram aproveitar as incríveis locações da região para rodar um curta autoral, dirigido por Júlio. “Almoçávamos em 2o minutos para aproveitar o resto do tempo e gravar umas imagens mais malucas, com o figurino do filme e vários cenários diferentes”, lembra Daniel.  

"Tentei montar o curta que tínhamos imaginado, mas não gostei do resultado e resolvi guardar o material", conta Júlio. Conversando com um amigo, surgiu a ideia: as cenas poderiam se transformar em videoclipe. A faixa Patrulha desorientada, do último disco do cantor paulistano Gui Amabis, foi a escolhida como trilha para as imagens perdidas do diretor. “Não me preocupei em criar uma conexão óbvia entre o contexto dos takes e a letra da canção, é uma relação muito mais instintiva”, conta Júlio, que dirigiu a montagem do clipe. “A música é meio silenciosa, meio falada, tem uma melodia da palavra, uma poesia que acho linda”, complementa. Amabis e Júlio farão a pré-estreia do vídeo nesta quarta-feira (26), na Casa de Francisca, no centro de São Paulo. “Vamos disponibilizar na íntegra na internet no início de agosto”, conta o cantor.

play

“A música fala dessa patrulha que dita padrões de comportamento”, explica Amabis. O clipe investe em uma linguagem não linear, sem se preocupar em narrar uma história com começo, meio e fim. “Existe espaço para a interpretação de cada um, eu vejo um soldado desgarrado, não sei direito se ele está vivo ou morto, é uma experiência muito mais ligada ao sensorial”, conta o cantor.  

LEIA TAMBÉM: Juçara Marçal, a voz poderosa do Metá Metá

A parceria dos três não é inédita. Eles já trabalharam juntos em outro clipe de Amabis: a faixa  Pena mais que perfeita, de 2012, ganhou um vídeo em que Daniel aparece em uma celebração da dor da perda como ponto de virada. “Só me disseram pra ficar nu e colocar um vestido de noiva em determinado momento. Pedi uma garrafa de cachaça de Minas e era só o que eu precisava pra fazer a gira que imaginei instintivamente, ouvindo a música. Estávamos todos nos separando de nossas esposas naquela época. Eu, Julinho, Gui e Grampá. Ou seja, a dor estava presente e não poderíamos fugir dela”, conta Daniel. O quadrinista Rafael Grampá assinou a direção do clipe em parceria com Júlio Andrade. 

O clipe de Patrulha desorientada pode ser encarado como um início de despedida do disco Ruivo em sangue, já que Amabis promete o lançamento de seu próximo álbum, Contra pangeia, para o início do ano que vem. “Antes vou lançar Ruivo em sangue em vinil, deve estar disponível já no mês que vem”, conta. Enquanto isso, ele segue se apresentando ao lado de Juçara Marçal e Rodrigo Campos no projeto Samba do Absurdo, trabalho inspirado na obra do escritor franco-argelino Albert Camus.  

 

Créditos

Imagem principal: Reprodução

matérias relacionadas