por Arthur Veríssimo
Trip #190

O pai do amor, Prem Baba, é o guru brasileiro que conquistou seguidores em todo planeta

Durante uma vida de buscas, soube de muitas histórias de pessoas que se iluminaram. Tive o privilégio de conhecer o guru indiano Osho, do qual fui discípulo durante anos. Quem teve a felicidade de estar com ele conhece bem seus ensinamentos e sua energia. Neste mundo tresloucado e saturado de verdades emprestadas, tornou-se um trabalho de Hércules encontrar uma senda verdadeira. Gurus, mestres espirituais e iluminados surgiram nas últimas décadas como trios elétricos no Carnaval de Salvador. Na última viagem que realizei à Índia, onde fui peregrinar no Khumba Mela em Haridwar, conheci um guru autêntico em Rishikesh e, acredite, ele é brasileiro. Seu nome: Sri Prem Baba.

"Muitos vão ter que se mudar, vão ter que mudar de planeta".- Desencarnar? "Sim"

Nascido no dia 9 de novembro de 1965 no bairro da Aclimação, em São Paulo, ele foi batizado Janderson Fernandes de Oliveira. Ao longo dos anos, formou-se em psicologia e mergulhou como uma fênix nos estudos da psique humana. Desde cedo foi um jovem ligadíssimo na busca espiritual e pesquisou técnicas orientais e xamânicas. Fundou um centro terapêutico, onde desenvolveu atividades mesclando técnicas de meditação transcendental, terapia junguiana, Reich, artes marciais, Osho, bioenergética e massagem. Um verdadeiro alquimista da nova era vivendo do experimentalismo empírico.

"Você acredita que escolheu o guru, mas você não o escolheu. O guru já o escolheu há muito tempo"

Por anos, ele deu aulas para centenas de pessoas, mas, no fundo do coração, sabia que faltava algo. Aos 32 anos, teve a visão que transformou sua vida. Um velhinho de barbas brancas o chamava para ir a Rishikesh, na Índia. Lá encontrou seu guru, Sri Hans Raj Maharajji. Em 2002, Sri Prem Baba iluminou-se. Quando surge a iluminação, ou a pessoa se torna absolutamente silenciosa, ou explode em canções. A vida de Prem Baba (Pai do Amor) se tornou uma melodia cósmica. Seus ensinamentos espalharam-se por vários cantos do planeta - do Brasil à Índia, passando pelos States e Europa. Por onde passa, milhares de pessoas são magnetizadas por suas palavras. Sim, amigos, Prem Baba tem o talento de guiar pessoas. Ele é um iluminado. Como ele diz: "A chave, o solvente universal que supera as distinções, transcende julgamentos, divergências e dogmas, é o Amor. Você acredita que escolheu o guru, mas você não o escolheu. O guru já o escolheu há muito tempo. Como você sabe se está diante de seu guru? Somente existe uma chance, quando você sente a Graça fluindo". A seguir, o Pai do Amor fala.

Quem é Prem Baba?
Prem Baba é um mestre espiritual que está trabalhando firmemente com o propósito de acordar o amor em toda a humanidade. Estou trabalhando para fazer pontes entre mundos. Entre o Ocidente e o Oriente, entre a ciência e a espiritualidade, entre a floresta amazônica e o Himalaia. Esse é o meu trabalho no mundo inteiro. Mas aqui, Rishikesh, é o epicentro. Aqui está o nosso Sachcha Dham Ashram, onde eu recebo aqueles que vêm à procura de conhecimento, paz e alegria ou em busca de respostas para os enigmas da vida.

Como tudo isso começou?
Quando eu nasci [risos]. Ainda criança comecei a questionar os mistérios da vida. "Mãe, quem foi que fez o mundo?" "Foi Deus." "Mas quem foi que fez Deus?" "Não pensa nisso que você fica louco." E com 7 anos de idade eu entendi que esse seria o motivo da minha existência: encontrar respostas pra esses enigmas. A princípio eu queria encontrar Deus por meio da ciência. Fui à matemática e à física tentar encontrar respostas. Depois busquei as escolas iniciáticas, os mestres espirituais e as religiões horizontais. Tornei-me um terapeuta, um psicólogo, um líder humanitário com muitos seguidores. Porém, ainda mantinha no meu coração a angústia da hipocrisia. Porque sabia que eu era um cego guiando outros cegos. Foi aí que eu mergulhei dentro de mim, à procura de uma resposta e eu tive uma visão.

Quando isso aconteceu?
Com 12 anos, comecei a praticar ioga e ouvi, pela primeira vez, um Bhajan, um mantra cantado para Narayam Sitaram, que é uma manifestação divina, cultuada na Índia. Ouvi dentro de mim: "Quando você fizer 33 anos, vá para a Índia, para Rishikesh". Foi uma tremenda surpresa porque eu não tinha nenhuma ligação com a Índia e não sabia absolutamente do que se tratava.

Onde isso ocorreu?
Em Guarulhos, com a professora Teresinha de Jesus Ribeiro. Ela foi a minha primeira professora de ioga.

Qual foi sua reação?
É evidente que me esqueci disso. Isso ficou nos porões do inconsciente. Fui viver a vida e passar por tudo que um jovem passa. Até que entrei numa profunda crise existencial, buscando coerência entre o que eu falava e o que eu fazia. Foi aí que mergulhei fundo dentro de mim e tive uma visão. Um velho de longas barbas brancas que estava no Himalaia dizendo: "Quando você fizer 33 anos, venha para a Índia, para Rishikesh". Estava em São Paulo e morava em Higienópolis. Tinha 32 anos.

Fez as malas e foi para a Índia?
Nessa época, eu me casei e fui passar a lua de mel na Índia. Conheci muitas cidades, encontrei alguns homens iluminados. Mas nada mudou. Não senti nenhum preenchimento, nenhum sinal. Até que, quando me aproximei de Haridwar, fui inundado por uma luz. Uma luz branca que me envolveu e me trouxe uma mensagem na forma de uma música. E aí eu cantei: "Iluminou e clareou/ Divino Deus/ Com seu resplendor/ Do coração vem o frescor/ Divina mãe/ De caridade mostra a bondade acalmando a dor/ Florindo os cantos com seu amor/ Pedi conforto e entendimento/ Clareou a luz de conhecimento/ Em concentração no Deus verdadeiro". E entrei em êxtase.

Onde aconteceu? Num centro de ioga à beira do rio Ganges?
Não, dentro de um Ambassador [carro das antigas na Índia] sem ar-condicionado! [risos] A caminho de Rishikesh. Toda a minha angústia desapareceu. Tive a clareza de que estava no rumo certo. Quando cheguei a Rishikesh, bati na porta do Sachcha Dham Ashram e fui recebido pelo Maharajji. Ele era o mesmo velho de longas barbas brancas da minha visão. Naquele momento, caí aos pés dele. Ele disse: "O que falta pro seu processo é se entregar a um guru vivo". E ali recebi minha iniciação espiritual. Três anos depois, acordei e pude manifestar a presença divina de Sri Prem Baba. Isso foi há oito anos. Desde 2002, venho trabalhando em prol da paz mundial, em ajudar o ser humano a transitar do sofrimento para a alegria.

Nós, seres humanos, vivemos situações muito turbulentas. Existe um método para passar do sofrimento para a alegria?
Sim, existe. Esse método eu recebi no dia da minha iluminação. Nesse dia, eu estava vivendo episódios de samadhi [êxtase] e a experiência da comunhão com o todo, a experiência da unidade.

Com o cosmo, com Deus?
Com Deus, se você quiser chamar assim. Ou com a existência. Ou com a vida. É um momento em que você se sente preenchido, completo. As perguntas desaparecem.

Os obstáculos não existem mais?
Não. Você se sente preenchido pela graça divina. Todas as respostas chegam. É o fim da busca. Mas eu entrava e saía desse estado. Eu entrava e logo caía de novo nesse vale de lágrimas e ranger de dentes que é a nossa vida.

A conexão não ficava?
Não. Até que me lembrei dos ensinamentos do meu guru, que me disse: "Não importa onde você esteja, chame por Deus de verdade, que ele virá". Aí, desci até a beira do Ganges, sentei em uma pedra e meditei. Fiz uma oração. Ali tive um insight. Descobri que ainda estava apegado à guerra nossa de cada dia. Ainda estava comprometido com o círculo vicioso do sadomasoquismo. Existia dentro de mim uma intencionalidade negativa. Nesse momento, ouvi Mãe Ganga falar: "Veja como eu sou livre, a nada me apego". Nesse momento, entrei em êxtase novamente. Quando voltei pro estado ordinário de consciência, percebi que havia dois dentro de mim, um verdadeiro e um falso. Dei uma grande gargalhada e achei o caminho. Subi pro quarto do Maharajji e ele estava rindo. E então falou: "Agora você é um guru e está livre para ensinar como quiser".

É uma grande responsabilidade, não?
É, mas nesse momento veio junto um método. Um método que começa com a identificação dessa intencionalidade negativa. Existe alguém responsável pelas repetições negativas que acontecem na vida e sabotam as chances da felicidade. Quando esse alguém é identificado, é possível a transformação.

O planeta está passando por uma grande transformação, parece que está à deriva. Vemos as mudanças climáticas, o aquecimento global, terremotos, vulcões em erupção. Onde iremos parar?
É uma boa pergunta. De fato, esta é a maior mudança da história deste planeta. Sinto que aqueles que estão sintonizados, podendo receber os novos códigos geométricos de luz que estão sendo instalados, vão ficar muito bem. Mas muitos vão ter que se mudar, vão ter que mudar de planeta.

Desencarnar?
Sim.

Temos que preparar o nosso coração pra essa grande mudança?
O que podemos fazer é aprender a lidar com as consequências da mudança. Mas, mudar mesmo, não dá mais tempo.

Prem Baba, tá um baita calor aqui.
Vamos dar uma volta. Vamos respirar o ar lá fora, dar um mergulho no Gonga [o rio Ganges]. Olhe o pôr do sol. Você respira paz.

Por que as pessoas dão três mergulhos nos locais sagrados?
É uma ciência da numerologia. O três representa a perfeição, equilibra o dois. Largura, altura, profundidade. Positivo, negativo e neutro.

* * *

Agradecimento especial:
Arthur viajou com a operadora Latitudes "viagens de conhecimento"
www.latitudes.com.br
- Tel. (11) 3045-7740

matérias relacionadas