por Millos Kaiser
Trip #200

A Argentina é a próxima Holanda?

Boom no cultivo caseiro, gente fumando em bares, brownies batizados vendidos na rua, uma Cannabis Cup pra chamar de sua, 15 mil pessoas na Marcha da Maconha, uma presidenta simpatizante da causa... A Argentina será a próxima Holanda?

A cena e a ousadia de Alejandro resumem a situação atual da maconha na Argentina: na teoria, ainda não foi totalmente regulamentada; na prática, o povo liberou geral. “Mucha lala” (“muita maconha”) foi o que a Trip viu nos quatro dias que passou em Buenos Aires. Plantas crescendo em varandas, jardins e engenhosos sistemas indoor, gente fumando nas esquinas, dentro de bares, no último vagão dos trens, hippies vendendo cookies e brownies aditivados com THC na rua... A sensação era de se estar caminhando na próxima Amsterdã.

A comparação não é um exagero completo. Só na capital portenha existem 15 growshops (lojas que vendem tudo que você precisa para cultivar, com exceção das sementes); no Brasil, elas não passam de duas. Nossos vizinhos têm também a sua própria Cannabis Cup (competição anual que acontece na capital holandesa e elege a melhor Cannabis, mas, na versão argentina, é secreta), a Copa Cannabica del Plata, que em julho deste ano comemora sua décima edição. E os cultivadores estão se multiplicando. Para ter uma ideia, em 2010 foram degustadas cerca de 80 espécies no evento – mais que o dobro do que foi apresentado na última realização do campeonato holandês. Nas bancas de jornal, não uma, mas duas revistas especializadas no assunto: THC e Haze, com tiragens de 35 mil e 15 mil respectivamente.

Uma semana antes de nossa visita, 15 mil pessoas caminharam da Plaza de Mayo até o Congresso sob os brados de “¡Despenalizacion ya!”, na que foi a maior Marcha da Maconha da América do Sul e uma das maiores do mundo – no mesmo sábado, na versão carioca, havia, na melhor das projeções, 5 mil participantes, enquanto na versão paulistana, a polícia dispersou os manifestantes com balas de borracha e bombas de gás lacrimogênio. Alguns dias antes, um jornal popular estampara uma foto da atriz Sofia Gala com um porro (baseado) na capa. Sua mãe, a vedete Moria Cásan, espécie de Hebe Camargo argentina, saiu em defesa da filha, revelando que também é chegada ao cigarrinho de artista. De acordo com o jornal La nacion, são aproximadamente 1,5 milhão de usuários no país, mais de 4% da população. Em outra pesquisa recente, 60% dos argentinos declararam ser a favor do uso recreativo e medicinal.

"Não se podia falar de maconha em casa, havia apenas uma growshop na cidade e a Marcha mal juntava mil pessoas"

A Constituição, no entanto, ainda não reflete o oba-oba das ruas. De acordo com a lei nº 23.747 do Código Penal, a pena para quem vende ou produz entorpecentes é de quatro a quinze anos de prisão e de um a seis anos para quem os usa. Mas desde 2009, quando cinco jovens foram pegos com alguns baseados no bolso, e libertos pelo juiz, a Suprema Corte estabeleceu como inconstitucional a prisão pelo simples porte de maconha, graças a uma jurisprudência que diz que “deve-se respeitar a autonomia individual desde que ela não ponha em risco a saúde ou a integridade de terceiros”.

O anacronismo da lei, aliado à situação política e social do país, podem ser indícios de mudança no horizonte. Um projeto de reforma encabeçado pela deputada governista Victoria Donda, apoiado inclusive por parte da oposição, descriminaliza de uma vez por todas quem usa ou cultiva Cannabis, mantendo a punição para quem comercializa a substância. Todos os argentinos com quem a Trip conversou estão otimistas de que o documento, em trâmite no Congresso desde o ano passado, será aprovado em breve. Contando a seu favor, está a própria presidenta Cristina Kirschner, que já declarou em diversas oportunidades que “é apoiadora da descriminalização e que o foco da luta do Estado deve ser na reabilitação dos viciados e no enfraquecimento dos traficantes”.

Falindo traficantes

No segundo andar de um prédio residencial esconde-se, pero no mucho, um dos principais culpados pela revolução verde em curso no país: a THC, “la revista de la cultura cannabica”. É lá no apartamento de três dormitórios, organizadamente bagunçado e com cheiro de marola entranhado nas paredes, que trabalham nosso jardineiro Alejandro Sierra, seu sócio Sebastían Basalo e mais oito funcionários (dois deles não fumantes).

O primeiro número da publicação saiu há quatro anos e meio, pouco tempo depois que a dupla foi apresentada, em uma Copa Cannabica del Plata. De lá para cá, eles acreditam que muita coisa mudou. “Não se podia falar de maconha em casa, havia apenas uma growshop na cidade e a Marcha mal juntava mil pessoas”, diz Sebastían, puxando o mate da cuia (sem metáforas aqui). “Quando jogamos luz numa cultura relegada, ela se multiplica. A pessoa vê a revista na mochila do outro, na porta do vizinho e se identifica, percebe que não está sozinha. O pai lê aquelas páginas bem impressas, com papel bom, com o preço de 15 pesos [R$ 6] estampado na capa e para de achar que o filho dele é maluco em querer fazer uma estufa em casa”, emenda. Alejandro complementa: “Isso e ter gerado uma legião de cultivadores são as nossas maiores conquistas. Você vai na Marcha e só vê flores [a maconha cultivada em casa]. Dia desses, fui na banca ver como estavam as vendas e o jornaleiro me pediu dicas para cultivar. Isso não tem preço. Estamos falindo os traficantes”.

"Dia desses, fui na banca ver como estavam as vendas e o jornaleiro me pediu dicas para cultivar. Isso não tem preço. Estamos falindo os traficantes"

Os dois regalaram o repórter com a coleção completa da THC. Folheando a revista, entende-se melhor que tipos de pautas contemplam a tal da “la cultura cannabica”: maconha na terceira idade, a vitória do cultivado sobre o prensado, fumando em família, receitas de gastronomia, casos de prisão, entrevistas com políticos, policiais e artistas... mas sem apologia cega à erva. “Não fazemos uma ode à maconha. A revista não é sobre ficar chapado, mas sim sobre um consumo consciente e responsável, embasado por médicos, advogados, sociólogos e professores”, explica Sebastían – os editores, aliás, não quiseram ser fotografados fumando. Sua seção preferida é a Cogollos Argentinos, na qual os leitores colaboram mandando fotos com seus amados vegetais do gênero sativa e/ou indica. Há desde espécies do tamanho de um bonsai até imagens que mais parecem uma plantação de cana. São mais ou menos 30 por edição. Fazendo uma matemática rápida, cerca de 1.200 pessoas já se assumiram cultivadoras através da revista, mostrando a cara e a prova do crime.

Alejandro conta que o próximo passo é distribuir a revista no México, na Colômbia, no Peru e no Brasil – no Uruguai ela já circula. Ele esteve por aqui no ano passado para sondar a possibilidade de montar uma Redação brasileira. “Os advogados passavam as páginas e só diziam: ‘Apologia, apologia, apologia...’. Ou seja, vai ser difícil, mas não vou desistir. Vocês têm grandes ativistas, mas eles não são integrados. Precisam de um veículo para uni-los.”

Mestre da jardinagem
Leo chega atrasado e pede desculpas. Estava na casa de um cliente cujas plantas não conseguiam sobreviver até a época da colheita. “Só uma praguinha fácil de resolver, nada de mais”, diz ele, considerado pelos seus pares um gênio na arte do cultivo indoor. Em sua loja Cultivo Esperanza, a maior growshop de Buenos Aires, ele vende kits com luz, terra, adubo e tudo o mais que alguém precisa para iniciar no ramo da, digamos, floricultura. Um kit completo sai por 600 pesos e, caso necessário, Leo vai diretamente até a casa do freguês instalar todo o aparato. No momento, Leo calcula pelo menos 300 jardins sob os seus cuidados. “Vêm idosos, pais junto com os filhos, advogados, todo tipo de gente.”

Localizada no fundo de uma galeria longe do centro da cidade, com panos cobrindo a vitrine, vira e mexe a loja é visitada por policiais. “Eles vêm aqui tentar achar algo para me incriminar, mas nunca conseguem. O que faço é resolver problemas relacionados a jardinagem, nada mais”, ironiza. “Hoje em dia é muito raro alguém ter problemas com a polícia por causa de maconha. Se te pegarem com um porro na rua, por exemplo, o mais comum é te levarem para a delegacia, averiguarem seus antecedentes e te liberarem em seguida. O que aconteceu com o Matias foi uma lástima, um baita azar.”

Velhinhos adoram
O azarado a que Leo se refere é Matias Faray, um jovem de 32 anos, sendo dez deles dedicados ao ativismo cannabista. Recentemente ele foi alçado ao posto de mártir do movimento por ter passado duas semanas preso em abril por causa de 25 plantas que tinha em casa. O tiro das autoridades saiu pela culatra e só serviu para incendiar ainda mais o debate na mídia. “Muita gente que condenava a maconha, inclusive a minha mãe, passou a pensar diferente depois do meu caso. Velhinhos, consumidores e não consumidores me param na rua dizendo que me adoram”, conta ao lado da loja de sapatos onde trabalha desde a adolescência.

"Hoje em dia é muito raro alguém ter problemas com a polícia por causa de maconha"

Sua liberdade veio através de um pedido extraordinário da juíza, que ficou comovida com o relato de três horas de Matias, em que ele discorreu sobre sua relação com a planta proibida, de como ela o salvou da asma e de como os cultivadores são os verdadeiros inimigos dos narcotraficantes. Ele é mais um que acredita que a liberdade total na Argentina não tardará a chegar: “O governo atual é focado em respeitar os direitos humanos e o direito individual. Ano passado, aprovamos a união civil entre pessoas do mesmo sexo. Neste, oxalá, regulamentamos a maconha”. Caso as preces de Matias sejam escutadas, vamos ter de assumir: em matéria de Cannabis, Maradona é melhor do que Pelé.

matérias relacionadas