por Redação

Reunimos algumas das principais campanhas, personagens, frases, imagens e capas dessa travessia

Há 15 anos Tpm celebra o universo feminino, abrindo caminho para algumas das discussões mais importantes sobre o que é ser mulher no Brasil. Batendo de frente com os novos clichês e os velhos estereótipos de gênero, que tentam enquadrar a mulher em um padrão, cercar seu desejo e reduzir suas possibilidades. Com ousadia e irreverência, Tpm antecipou e engrossou a mobilização feminina que ocupou as redes sociais nos últimos tempos.

Abaixo, reunimos algumas das principais campanhas, personagens, frases, imagens e capas dessa travessia – que passou por política, sexo, beleza, corpo, moda, aborto, dinheiro, saúde, maternidade, envelhecimento, cultura e relacionamento, entre muitos outros assuntos. Porque não existe assunto de mulher. Tudo é assunto de mulher. Lugar de mulher é onde ela quiser. Onde você quiser.

PERFEIÇÃO NÃO EXISTE!

#22 - Imagem é tudo?
Acreditar que você depende da aparência física para ser amada, aceita e bem-sucedida é uma crença que aponta para um destino funesto. “Mesmo as mais belas e bem cuidadas envelhecerão”, avisava a psicanalista Maria Rita Kehl em 2003.

#120 - Você é livre?
Contra os novos clichês femininos e os velhos estereótipos (que cismam em se reinventar); contra qualquer tentativa de enquadrar a mulher em um padrão, cercar seu desejo e diminuir suas possibilidades. O Manifesto Tpm foi lançado em 2012.

#82 - Entrevista com a atriz Debora Bloch
“Hoje a mulher ideal tem que ser gata, inteligente, legal, profissional, boa mãe. Vejo muitas mulheres exaustas com essa auto-idealização.”

#127 - Pensou que só a sua vida fosse imperfeita?
Dani Calabresa é loura, alta, talentosa, bem casada e ainda é paga para falar o que quiser. A vida dela é perfeita? Claro que não. Traição, problemas no trabalho, medo de dirigir e até uma pedra no rim tornam a vida da comediante… normal.

#127 - Até as Barbies vomitam
Imagens da “vida perfeita” divulgadas nas redes sociais têm um efeito cruel porque carregam uma mensagem inquietadora: “você poderia ser melhor”.  Uou. Será? Na edição #127, mergulhamos no tema e defendemos a ideia de que a imperfeição é libertadora.

#53 - Anestesia S.A.
Nos acostumamos com medicação para evitar as dores da alma. Vivemos uma pseudofelicidade, uma pseudotranquilidade. Estaríamos mergulhando em um deserto de sentimentos por medo de sofrer? Sem procurar respostas fáceis, a edição #53 fez a pergunta dolorosa.

#99 - Laís Bodanzky, cineasta, nas Páginas Vermelhas
“Quando você quer dar conta de tudo, quer é não fazer feio para os outros. Acontece que às vezes faz feio para você mesma.”

#49 - Por que a gente chora tanto?
Tpm quis saber até que ponto ser mais delicada, intuitiva e vulnerável pode ser bom. Na capa, Luana Piovani em lágrimas. A frase da terapeuta Bel Cesar encerra a reportagem com sensibilidade: “O choro descongela”.

#116 - Entrevista com a atriz Taís Araújo
“Mesmo radiante com a maternidade, tive muito medo desde que tive bebê. Medo de não conseguir trabalhar como antes, medo da violência. Ninguém é feliz o tempo todo.”

YES, SHE CAN

#82 - Maria da lei
Maria da Penha Maia Fernandes é uma sobrevivente. Seu marido tentou matá-la duas vezes. A primeira, com um tiro nas costas que a deixou paraplégica. A segunda, eletrocutada no chuveiro. Ela foi à forra e virou símbolo nacional – além de prender o criminoso, batizou a lei que protege a mulher vítima da violência doméstica. Serena, dedicou sua vida à luta para que outras mulheres não passassem pelo que passou. “Tenho saudades do forró. E também das ondas lambendo as pernas quando elas recuavam para o mar. Lembro da areia saindo debaixo dos pés”, disse na entrevista. Em 2016 comemora-se dez anos desde que a lei 11.340, conhecida como lei Maria da Penha, foi sancionada.

#119 - “É igual ou não é, porra?”
Karina Buhr não cabe em rótulos: mulher, cantora, artista da MPB… Ela se destaca fazendo o que quer – e como quer. A chefa de uma banda só de homens é agressiva e doce, forte e sentimental. Karina é várias. E nos representa.

#126 - Existe um jeito feminino de liderar?
As mulheres ocupam cada vez mais cargos de liderança e chefiam mais lares no Brasil. O poder feminino é diferente? Em que medida? Flora Gil ajudou a responder: “Não vivo em meio a homens achando que são melhores. Isso é chato, careta e antigo”.

#141 - Qual é a sua cor?
A atriz Juliana Alves estampou uma capa histórica da Tpm. A rainha de bateria da Unidos da Tijuca sabe que a mulher negra é a mais vulnerável da sociedade. “Quando vivo um episódio de racismo, sei que estou no lugar certo”, afirmou a atriz.

#157 - Eliane Dias nas Páginas Vermelhas
“Dizem que o dinheiro move o mundo, mas pra mim é a TPM. Mulher com TPM muda a casa, termina o casamento, muda de emprego, entrega o marido político corrupto.” 

#21 - Bruta flor
Paula Lavigne é empresária bem-sucedida, com fama de brava e temperamental. Então esposa e mãe de dois filhos de Caetano Veloso, assumidamente rica e poderosa, costumava falar o que pensa sobre sexo, dinheiro, amor e o casamento nada convencional que manteve por duas décadas. “Não vem com essa de que dinheiro é ruim! É como tudo, se você tem muito, dá trabalho para lidar. Para viver, precisa ter dinheiro, e eu e o Caetano sabemos lidar bem com isso. Mas se ele perdesse tudo não ia mudar muito não. Se tivesse lá o violãozinho dele e o Nescauzinho dele estava tudo bem.”

#126 - Poder, algo mais e alegria
Ela vai trabalhar de jatinho e passeia de ônibus por Salvador, tem o DVD mais vendido da história (até hoje!) e o filho menos fotografado do showbiz. “Um Pelé. Um Roberto Carlos”, disse a cantora Marina Lima. Não, não. Ivete Sangalo é mais.

#93 - Força da natureza
Marina Silva, a mais famosa líder ambientalista do país, articulava sua candidatura à presidência quando foi entrevistada: “Ser mulher sempre foi uma vantagem. Ameaçavam o Chico Mendes, e eu, que tinha as mesmas lutas, nunca fui ameaçada”.

#34 - Marlene Mattos nas Páginas Vermelhas
“Tive que ser muito mais homem que os homens. Acho que isso teria sido desnecessário se não tivesse que enfrentar um monte de babacas.”

#104 - A mulher é o novo homem?
Não, obrigada. “Lá em casa, livros de política convivem pacificamente com os meus esmaltes”, contou a repórter Nina Lemos. Enquanto conquistamos espaços de poder, reafirmamos nossa feminilidade – e nosso respeito pelo outro sexo.

#113 - Páginas Vermelhas com o escritor Marcelo Rubens Paiva
“Os homens tomaram um susto quando surgiram essas mulheres lindas, inteligentes e… chefes!”

SIM, MULHER ADORA SEXO

#53 - De corpo e alma
Mara Gabrilli ficou tetraplégica aos 26 anos num acidente de carro. Desde então, não parou de se mexer: fundou uma ONG voltada para pessoas com mobilidade reduzida, posou para um ensaio sensual da Trip, tornou-se deputada federal por São Paulo. Aqui, ela falou sobre o tabu da sexualidade do deficiente físico. “É um prazer físico diferente. Tem locais do meu corpo que sinto, mas não sei exatamente onde é. Mas a libido não muda nada. É bom que meu parceiro seja forte porque ele tem que me segurar e se mexer pelos dois. Só não trepa quem não quer [risos].”

#87 - Caetano Veloso nas Páginas Vermelhas“No Ocidente moderno houve uma ampliação no entendimento de sexualidade. Somos sexuais, e não heterossexuais ou homossexuais.”

#124 - Gosto, não nego
Por que ainda é tabu mulher dizer que gosta de sexo tanto quanto homem? A edição #124 foi dedicada ao assunto e incluía uma reportagem com mulheres que adoram transar: “Dou risada quando as meninas dizem que falta homem”, disse uma delas.

#64 - A normal
Em 2007, Fernanda Torres já levava aos palcos a peça A casa dos budas ditosos, baseada no livro homônimo de João Ubaldo Ribeiro. Para a atriz, falar de sexo e sacanagem não é um tabu. “Viver é foder”, diz o texto do autor. “Concordo plenamente”, disse Fernanda. “A vida é tesão, é pulsão sexual. Dizem que a morte é assim também, mas, se o sexo pode ser entendido como morrer em alguém, então talvez estejamos falando da mesma coisa.”

#95 - Rita Cadillac nas Páginas Vermelhas
“Nunca fui esse fogaréu todo. Estou separada há um ano e não tive outros namorados. Não tenho essa necessidade de sexo, sexo, sexo.”

#57 - Eu uso vibrador 
Thalma de Freitas e outras adeptas do vibrador contam detalhes para a leitora entrar na vibe. Uma delas acredita que a revolução está próxima: “Vivemos este momento maravilhoso que é a liberação da masturbação feminina”, disse Ivana Arruda Leite.

#143 - A liberdade é sexy
Para a funkeira Valesca, então Popouza, investir no “popô” não é só questão de vaidade, mas de ganha-pão. Já a atriz Maitê Proença acha que “com tanta vida pra viver, não dá pra ficar com a cabeça na bunda”. O encontro inusitado entre as duas rendeu uma entrevista memorável.

#103 - Na ponta da língua
Já se pegou olhando para o teto com tédio na hora do sexo oral? Teve coragem de dizer que não estava bom? Tpm foi fundo no assunto e descobriu que a mulher ainda se responsabiliza muito pouco pelo próprio prazer.

#135 - Preta Gil nas Páginas Vermelhas“Eu sou assumidamente bissexual, isso de cara faz com que as pessoas se sintam mais livres.”

IMAGEM NÃO É TUDO

#123 - Tamanho único
Como reagir a um mundo que insiste em fazer com que você se sinta infeliz com seu corpo, não importa que corpo você tem? Tão atual como hoje, a edição #123 colocava  Gaby Amarantos empoderada na capa e outras mulheres que não vestem 38 para refletir sobre o assunto.

#134 - Me engana que eu gosto
Quem conhece a Tpm entendeu a pegadinha na hora: uma capa transbordando ironia, com a atriz Alice Braga fazendo carão e biquinho, em uma imagem emagrecida por muito Photoshop. Ei! A gente só queria mesmo chamar a sua atenção. Por que afinal as mulheres adoram acreditar nas falsas promessas vendidas pela indústria e pela mídia? Nesta edição mostramos na prática como capas de revista são peças importantes na formação da autoimagem feminina.

#7 - Você não é feia!
Era o ano de lançamento da Tpm quando lançamos a campanha “Imagem não é tudo”. Ali começava uma história de questionamento dos padrões de beleza e um alerta às mulheres que fazem  dietas bizarras e usam remédios tarjados. “E na alma, não vai nada?”, perguntamos.

#84 - Mulher melancia, melão, jaca…
Tpm foi investigar o fenômeno das mulheres com bundas imensas, peitos gigantescos e sobrenome de frutas. Enquanto o corpo turbinado virava sonho de consumo de meninas de todas as classes sociais, a consultora Denise Gallo se perguntava: “Existe alguma dúvida de que o corpo saradão, sujeito a toda sorte de intervenções médicas e estéticas, é o que faz a roda da mídia feminina girar?”. A edição vinha embalada em uma simpática rede de frutas.

#56 - Entrevista com a atriz Maria Flor
“Não sou hipócrita. Claro que tudo fica mais fácil para quem é bonito. Mas tem coisas para fazer antes de uma cirurgia…”

#36 - Qual é a sua cara?
Boca de Angelina Jolie, nariz de Jeniffer Aniston. Esse abençoado composé pode ser seu – é só passar na clínica mais próxima. “Será que dentro de algumas décadas teremos todas a cara da Barbie?”, nos perguntamos em 2006.

#45 - Doentes por moda
Quando o IMC (Índice de Massa Corpórea) das modelos bateu o de refugiados famintos na Somália, o alarme soou. Dá para aceitar um padrão de beleza assim? “Você é o que você come. Nesse caso, o que não come”, disse a modelo Lara Gerin (na montagem ao lado, a moça da direita).

#16 - "diga não…
a regimes, tratamentos e exercícios milagrosos que outras revistas empurram para você a cada verão." Estampamos a frase na capa com uma boneca inflável. Porque, afinal, não vamos acatar nem promover ordens para tentar nos transformar naquilo que não somos.

#56 - Menos era mais
Uma das primeiras brasileiras a colocar silicone quando o bonito era ter seios pequenos, Monique Evans falou sobre  a obsessão das brasileiras pela plástica. “As meninas hoje são assim. Se aparece alguma gordurinha, em vez de malhar, falam: ‘Eu quero fazer lipo’.”

VOCÊ TAMBÉM VAI ENVELHECER

#147 - Entrevista com a atriz Betty Faria, nas Páginas Vermelhas
“Queriam que eu tivesse a imagem de Tieta forever. De repente eu era uma coroa de biquíni caindo na água.”

#51 - Velha é você
Envelhecer virou uma doença social – e o assunto pediu espaço e ganhou o tema da edição #51. A revista trazia um caderno especial com ensaio sensual de Carlos Ricelli clicado por Bruna Lombardi, que estampou a capa em uma foto de quando era jovem.

#125 - A idade da razão
Mãe e filha foram as entrevistadas das Páginas Vermelhas da edição, que questiona o estereótipo de que com o tempo mulher fica velha e homem fica charmoso. Yasmin, aos 24, já “velha” para a profissão de modelo, e Luiza Brunet, chegando aos 50,
linda como sempre.

#27 - Maitê Proença nas Páginas Vermelhas
“O mundo hoje tem essa cobrança da juventude. Na TV, se você passa dos 40, já começa a fazer papel de mãe. os diretores acham que eu sou matusalém!”

#125 - Perdas e ganhos
A cantora Céu e outras mulheres com menos de 30 dividiram conosco o que envelhecer significa para elas. Cabelo branco, experiência, ruga, bigode chinês, mancha, história pra contar, flacidez, catarata, dentadura, maturidade, meia-entrada… Hem?

PRECISAMOS FALAR SOBRE ABORTO

#41 - Entrevista com Vera Zimmermann: "Eu fiz aborto"
“Não me arrependo de ter feito. sou totalmente a favor da descriminalização do aborto. mas sou contra a banalização da intervenção.”

#41 - Pelo direito de decidir
Em seu primeiro manifesto pela descriminalização do aborto no Brasil, a Tpm estampou o corajoso depoimento de mulheres famosas que passaram pelo procedimento. O posicionamento da revista, sustentado até hoje, era claro: “Não acreditamos que a mulher que opta por interromper uma gravidez seja uma criminosa, como está escrito no Código Penal Brasileiro, elaborado em 1940”. A edição histórica teve três capas, com Penélope Nova, Cynthia Howlett e Vera Zimmermann.

#41 - Penélope Nova: "Eu fiz aborto"
“Provocar um aborto não é gostoso. Não acho que o aborto deveria ser incentivado, mas também não acho que cometi um crime.”

#148 - Gregorio Duvivier é a favor do aborto
“Um dia, espero, ainda vamos achar a proibição do aborto um absurdo, assim como achamos um absurdo a escravidão ou o holocausto.”

#162 - Ainda precisamos falar
Três professoras que defendem publicamente a descriminalização do aborto foram desligadas de importantes universidades brasileiras. Fomos a campo entender: foi corte de custos ou perseguição?

#62 - “Fiquei grávida e tirei”
Elke Maravilha contou ter feito três abortos, um deles com 20 anos. “Fiquei grávida e tirei. Não sei educar uma criança”, contou a ex-modelo russa, que faleceu este ano. Mas como ela tinha certeza sobre uma situação pela qual nunca passou? “Do jeito que as pessoas educam, tô fora. Setenta por cento das mães não deveriam ter filhos.”

#148 - Em nome da lei
Quase dez anos depois do primeiro manifesto, a Tpm lançou a campanha #PrecisamosFalarSobreAborto, na qual defende que o debate e a descriminalização devem ser prioridade na agenda política e social do país. Mais de 80 personalidades apoiaram a causa, incluindo as atrizes Leandra Leal e Alessandra Negrini e o humorista Gregorio Duvivier, que estamparam as três capas. Não custa lembrar: a cada dois dias, uma brasileira morre em decorrência de um aborto ilegal.    

#148 - O psicanalista Contardo Calligari apoia a campanha #PrecisamosFalarSobreAborto
“Sem a descriminalização é impossível evitar que o aborto continue a ser esta espécie de método anticoncepcional maluco, perigoso para os pobres, um pouco menos perigoso para os ricos, mas traumático para todos.”

CASAMENTO FREESTYLE

#55 - Bloco do eu sozinho 
Para ilustrar com o devido impacto a notícia de que as mulheres é que terminam os relacionamentos (em 72% dos casos), a capa especial trazia um post it (real!) com o recado: “Fui!”. Na edição, histórias sobre a dor do fim, o prazer de ser só e feliz, a vida em família e muito mais. 

#37 - Invasão de privacidade
Conhecida por ser reservada e não gostar de expor sua intimidade, a atriz Marieta Severo falou à Tpm sobre a vida de solteira após o casamento de 30 anos com Chico Buarque. “Quando me separei, as pessoas não sabiam lidar comigo sozinha”, conta. “A gente soube viver isso de uma maneira que me deixa muito feliz… Vejo casais que se separam e não se falam mais e fico chocada. Chico é meu melhor amigo.”

#44 - Leia a bula
Enquanto algumas de nós nem podem ouvir falar em casamento, outras são absolutamente doidas pela coisa. Para entender este segundo fenômeno, convidamos uma série de “pensadoras” para debater.

#132 - Bem casadas
A cantora Daniela Mercury e a jornalista Malu Verçosa só queriam contar pra todo mundo que estavam casadas, mas acabaram num turbilhão que junta política, ativismo e uma história de amor, mostra a entrevista do casal à Tpm. “As mudanças de comportamento estão aí, mas as pessoas precisam de ícones, de atos simbólicos. A comunicação do nosso casamento foi isso”, disse a cantora. O anúncio teve consequências desagradáveis, mas teve um resultado afirmativo: “A gente tá cansada de contextos que desmerecem a mulher. O momento que junta duas mulheres altivas é uma pancada”.

#129 - Casar é…
Entre o casamento mais perfeito e a solteirice mais infeliz existem infinitas possibilidades e formatos de vida afetiva. Didi Wagner e outras mulheres – casadas, solteiras, indefiníveis – abriram o coração e suas listas de casamento para a Tpm #129.

#149 - Qualquer maneira de amor
Ser casado, acreditar em uma união estável, mas admitir a possibilidade de desejar outras pessoas. É possível? A monogamia datou? Tpm foi apurar o ponto de vista feminino para as novas caras do casamento.

#8 - Malu Mader nas Páginas Vermelhas
“Ele pode se apaixonar, eu também. Mas tudo o que eu queria era ficar com o Tony para sempre porque acho difícil encontrar um cara como ele. Seria sorte dupla.”

TODA MULHER SONHA EM TER FILHOS. OI?

#105 - Entrevista com a apresentadora Fernanda Lima
“Com filho a gente fica em segundo plano, perna peluda, unha por fazer… e o relacionamento só se sustenta se o cara colocar a mão na massa.”

#47 - Ser ou não ser
Instinto ou escolha? É possível ser feliz sem filhos? Temos, de fato, um relógio pulsando no útero? Tpm foi às fontes e investigou a natureza e as histórias da maternidade.

#25 - É a mãe
Lucinha Araújo tentou educar Cazuza como mandava a cartilha da época. Não conseguiu. Numa doce guinada do destino, acabou sendo reeducada por ele. “Eu não estava preparada para aquele filho”, conta Lucinha. A história de uma mãe transformada pelo filho rendeu uma das mais tocantes entrevistas publicadas pela revista.

#120 - Esperando Sofia
Encontramos uma das celebridades mais midiáticas do país enquanto ela preparava o ninho para receber sua primeira filha. Assustada e feliz, Grazi Massafera se abriu: “Vem tanta coisa na cabeça que você vai entrando numas nóias, como vou educar, como vou dar conta?”. 

#107 - Filhos? Não, obrigada
Elas não querem ser mães. E ponto. Por que essa opção ainda provoca tanta polêmica? Quatro mulheres revelaram como lidam com o tabu e encaram o preconceito ao assumir a decisão – que, afinal, só cabe a elas.

matérias relacionadas