por Giulia Garcia

Marcas de roupa e peças de artesanato exploram os mamilos como tema e defendem um olhar com mais naturalidade para o corpo da mulher

Os seios estão entre as partes mais erotizadas do corpo feminino em grande parte do mundo. Desde que não sejam tão grandes, tão pequenos ou tão caídos, serão enaltecidos na publicidade — isso ajuda a criar esse torturante padrão estético entre as mulheres. Sexualizado de maneira extrema, são motivo de polêmica nas ruas, praias, estabelecimentos e até nas redes sociais, ambiente em que costumam ser "proibidos", tornando-se assunto de debates inclusive na hora de amamentar uma criança. Os mamilos são condenados mesmo quando não estão completamente despidos, por um simples "acender de faróis".

LEIA TAMBÉM: Artesãs resgatam a natureza feminina em delicados acessórios de macramê inspirados na vulva

Nesse cenário global de hiperssexualização dos peitos, esse mostra e esconde do corpo da mulher, algumas marcas espalham uma mensagem mais empática ao universo e ao corpo feminino, bordando e estampando peitos em seus produtos.

Empooderadas

“Poxa, mas todo mundo já não sabe que debaixo dessa blusa há mamilos?”, diz Maria Thereza, fundadora da Empooderadas. De produção artesanal, a marca divulga os produtos em sua página de Instagram. A loja surgiu da vontade da mineira de expor meus pensamentos por meio do bordado, explorando a temática da aceitação do corpo. As camisetas, que vão de R$ 69 a R$ 98, de acordo com a complexidade de cada bordado, podem ser encomendadas por email ou WhatsApp.

Vai lá: @empooderadas

Estúdio Pina

"Sim, são peitinhos. E daí?" Criada pela necessidade de expressão criativa e manual de Adriana Bragotto, a marca questiona o tabu em relação ao mamilo feminino. Arquiteta e urbanista, largou o trabalho no escritório, deu um tempo da arquitetura, e resolveu dedicar-se à sua nova paixão: o bordado. Começou como uma válvula de escape, mas com as encomendas, que surgiram rapidamente, Adriana resolveu dedicar-se apenas ao novo projeto. Assim, criou moletons e camisetas como o “Contém peitinhos” e “Narcisa”. Feitas à mão, o preço das peças varia entre R$ 90 e R$ 168.  

Vai lá: www.pinaestudio.com.br | @estudiopina

TaTa Top

A loja americana vende pela internet biquínis com estampas que simulam um topless, propondo uma reflexão sobre as leis que proíbem a prática. Com três opções de cores, para adequar a ilusão visual a diferentes tons de pele, os produtos tem parte de seu valor revertido a duas instituições que trabalham com a saúde feminina — Chicago’s Women Health Center e Keep a Breast. Os biquínis podem ser comprados de qualquer parte do mundo e custam US$ 28.

Vai lá: thetatatop.com

Casa Dobra

Os peitos não têm sido lembrados apenas em estampas de roupas. Com uma pegada erótica, divertida e pop, os vasinhos "Peitinhos caídos” e as xícaras “Monoteta” são peças que você encontra por lá. Produzidas com cerâmica de alta temperatura, os produtos têm boa durabilidade e acabamento. “As peças simbolizam muito o que valorizamos: a colaboração no processo, assertividade de discurso e posicionamento sobre o mundo, relação com o corpo e suas infinitas expressões. E uma pitadinha de humor para contar essa história” explica Anália, uma das sócias da Casa Dobra. As peças variam entre R$ 90 e R$ 200.

Vai lá: Casa Dobra (Encomendas também pelo email correio@casadobra.com)

 

Créditos

Imagem principal: Divulgação

matérias relacionadas