por Gabriela Borges

A cidade é Chicago, o tema é relacionamentos amorosos e as cenas de sexo são quentes

Uma das coisas mais interessantes nas produções originais da Netflix é a grande variedade de possibilidades de temas e formatos. E também a vantagem que eles têm de poder testar tudo isso, muitas vezes mantendo os ares independentes. Porque é isso, Easy, a novidade da semana, parece produção independente.

Criada e dirigida por Joe Swanberg, de Um brinde à amizade, a série entrou na grade na última quinta-feira com uma divulgação muito mais tímida se comparada a outras produções recentes como Stranger Things. Mas isso não quer dizer que a produção não vai dar o que falar - ou que você não vai querer conversar sobre ela com seus amigos. 

Abaixo, uma lista com 10 motivos para você assistir Easy:

1) O tema principal é relacionamentos amorosos: as expectativas, as diferentes possibilidades, as crises, as fases. Tudo muito possível na minha, na sua, na nossa vida.

2) A primeira temporada é uma antologia de oito episódios com história e personagens diferentes em cada um: a criatividade de um casal que já não transa mais como antes; um marido que esconde um projeto pessoal da mulher grávida; duas mulheres que se apaixonam mas precisam aprender a lidar com as diferenças; a visita de um ex-namorado à casa de um casal; pais recentes dispostos a dar uma movimentada na relação; um quadrinista em crise que não sabe como lidar com a privacidade; duas mulheres de gerações diferentes lidando com solitude e a independência. Com certeza você vai se identificar com pelo menos um desses enredos. 

LEIA TAMBÉM: O primeiro episódio de The get down comentado pelas rappers Lurdez da Luz e Laysa Moretti

3) A direção é toda baseada no mumblecore (“geração do resmungo”, em tradução livre), movimento artístico do cinema independente americano usado em algumas obras mainstream, como Girls e Frances Ha. Nelas, os (muitos) diálogos fluem de maneira natural, quase todos no improviso, o que dá um tom ainda mais realista às tramas. 

4) Alguns de seus personagens (como Sophie, a atriz de 30 anos, interpretada por Gugu Mbatha-Raw, que decide se separar do "cara perfeito" para investir na carreira) trazem histórias que a gente queria ver mais: nem toda mulher quer ter filhos. 

5) A série mostra que existem diferentes formas de se relacionar - com você mesmo e com os outros; ao vivo ou pelas redes sociais; sendo vegano e namorando alguém que ama bacon; tentando salvar o casamento depois de dois filhos, 40 anos e uma libido em crise. 

6) As cenas de sexo são bem realistas, tenham elas orgasmos ou não.

7) Tem uma das cenas de sexo a três mais interessantes (e quentes) dos últimos tempos. 

8) O elenco mistura atores desconhecidos e famosos, como Orlando Bloom, Elizabeth Reaser e Malin Akerman. 

LEIA TAMBÉM: E se a gente chamasse cena de sexo gay apenas de cena de sexo?

9) Mostra o estilo de vida de Chicago nos dias de hoje, e seus pontos turísticos são praticamente personagens das histórias.

10) Faz um recorte da nossa vida cotidiana, quase sempre trivial, mas interessante justamente por isso.

play
Créditos

Imagem principal: Reprodução

matérias relacionadas