Revista Trip

icone postado
Postado em 10.06.2010 | 22:06 | Mauro Refosco
divisão

A um tempinho atrás estava no camarim em Boston depois da passagem de som do AFP, começamos a conversar sobre esportes e dai eu perguntei se alguém  gostava de futebol,  foram todos meio evasivos e deu pra perceber que esse não era o interessa geral da galera. O Flea foi o único que continuou o assunto, mas tentou insistentemente desviar para o basquete, pelo qual é um fanático  de um conhecimento enciclopédico sobre o assunto, torcedor dos Lakers de carteirinha que tem uma cadeira cativa na beira da quadra. Insisti no futebol e ele me disse que na copa iria torcer para algum pais africano. 

 

Na volta ao Teatro, pouquinho antes da gente entrar pra fazer o show daquela noite, vejo o Flea e não me agüentei, tive que pedir para tirar uma foto. 

Eis o sujeito vestido  com as cores do escrete brasileiro: calça verde, camisa amarela e cabelo azul, nem sabia ele que tava parecendo um mascote do Brasil, uma pulga canarinho.

Abraços,

Mauro Refosco

Flea

Flea


 

 

 

icone postado
Postado em 11.11.2009 | 19:11 | Mauro Refosco
divisão

BASTARDO!!!
A chegada em Fiesole nas redondezas de Firenze foi uma aventura para os motoristas. Os três ônibus e o caminhão passaram por ruas muito estreitas causando alvoroço entre os moradores locais, principalmente numa senhora que saiu da sua casa esbravejando “bastardo, bastardo”. O pior é que ela falava com um megafonezinho encostado na garganta, então a coisa ficava mais caótica ainda. Não contente com a balburdia causada na manhã de sábado, ela chamou a polícia. Que veio, olhou aquele movimento todo, e disse: “só isso?... hmmmmm, tudo certo, pode seguir adiante”, pra desespero da senhora italiana, que continuava gritando “bastardo, bastardo”!!!!! Virou a piada da turnê.

Eu, como estava dormindo, perdi isso tudo, só sentia levemente na minha cama o sacudir do ônibus fazendo mais manobras do que o normal. Quando acordei entendi a razão. Estávamos parados na encosta de um morro com ruas de acesso bem estreitas.  Os motoristas estavam de parabéns.

Imagem: Mauro Refosco

Firenze

Firenze


Como era tudo muito montanhoso, pedalar ficou fora dos planos. Assim pegamos um taxi e nos mandamos para o centro de Firenze, que é uma das coisas mais belas que existem na Itália. Eu tinha encontro marcado com os meus amigos italianos da Ponderosa Music que iam me levar num restaurante conhecido do pessoal brasileiro que passa por lá. Recentemente esse mesmo pessoal levou lá as turmas da Vanessa da Mata e da Orquestra Imperial.

Mauro Refosco

Não deu outra, tiro certeiro, almoço maravilhoso, leve, e que deixa a gente contando os minutos pra comer de novo. Na volta tivemos tempo de visitar uma igreja no alto da montanha, de onde se avistava Firenze. Interessante notar que a construção dessa igreja foi feita em cima de duas outras igrejas, ou seja, ela começou uma capelinha pequena, tomou importância, virou uma igreja, e daí, mais importante ainda, virou uma igreja maior. Ainda da pra ver as três fazes da evolução “igrejística” dessa bendita.

O show foi num teatro romano datado de I AC. Da pra ter idéia da emoção? Tocar numa coisa construída a mais de 2000 anos. E tem mais, na verdade o teatro fazia parte de um complexo sócio cultural onde havia banhos romanos, com várias piscinas, saunas e salas de descanso. Os caras já sabiam como viver bem há muito tempo.
O show, não precisa dizer, foi mágico. A platéia calorosa, o local especial, o show seguido de um jantar regado ao melhor vinho da região, a nossa crew em paz com a crew local (desta vez tudo funcionou nos conformes) tudo isso fez a nossa família feliz da vida. Tocamos talvez o melhor show até o momento, na minha opinião.

Na partida em direção Roma para um dia de folga, os motoristas deixaram um presentinho para a senhora que chamou a polícia. Em vez de esvaziarem o toilet no lugar apropriado, puxaram a descarga bem na frente da casa da tal, que deve ter acordado no dia seguinte gritando. ‘BAAAAAAAASTAAAAAAAAAARRRDOOOOOOSSSS’

Abcs

 

Mauro

icone postado
Postado em 27.10.2009 | 19:10 | Mauro Refosco
divisão

Itália!
Paraíso para os músicos, inferno para a equipe de uma turnê. Deixa eu explicar.
A nossa crew é toda composta de gringos, o tour manager é inglês um cara que toma chá pontualmente as 5 da tarde, o  production manager é um irlandês canadense, que trabalha 25 horas nos 8 dias da semana,  os outros,  americanos e uma neo zelandesa que estão na labuta em média de 15 horas por dia em dias de show.
 
Essa turma na Itália tomou um banho da equipe local,  onde o pessoal é culturalmente mais relaxado, tira 2 horas pra almoçar, com calma e celular desligado, e depois ainda tira uma pestana.  A coisa pega!!!!

Foi o que aconteceu quando chegamos ao soundcheck em Grado, uma cidade balneário no mar Adriático. O Keith (tour manager) estava agarrado ao pescoço do promotor e o Mark E.(production manager) estava mais vermelho que um pimentão, de tanto gritar com os italianos, que, quanto mais eram ralados, menos faziam.

Simplesmente não tivemos soundcheck, por vários motivos. De acordo com a nossa equipe foi pela falta de disciplina dos italianos, de acordo com os italianos, sei lá… ninguém sabe, nem mesmo eles, mas ficou uma situação engraçada.

Esta cena dantesca foi logo esquecida com um mergulho no Adriático, logo ali na frente. Olha só essa foto do palco, o mar maravilhoso ali nos convidando para esfriar a cabeça e esquecer qualquer problema, já que no fundo todo mundo sabe que na hora H o lance sempre funciona certinho. Fiquei horas boiando e dando braçadas de lá pra cá, já que não existem ondas pra pegar um jacaré.

Mauro Refosco


Mais cedo Paul, Graham e eu demos umas bandas de bicicleta pelas praias de Grado. Não é o Brasil, nem de perto, mas compensou quando sentamos pra comer um peixe com pasta e vinho branco, acompanhado por um gelato de limão.

No fim da noite, depois do show, continuando a batalha das Crews, os italianos deram mais um baile nos já destroçados gringos. Como as ruas de Grado são muito estreitas para o caminhão da turnê chegar próximo ao palco, foi usado um caminhão menor fornecido pelo promotor local, para fazer o translado do caminhão estacionado até o palco. O ‘causo’ foi que o motorista do caminhão, junto com os chapas que estavam fazendo o carreto, se arretaram com o Mark, e, foram embora.
Só voltaram depois de algumas horas e milhões de pedidos de perdão. Ahahah, eu fiquei só rindo.

Abcs,

Mauro

icone postado
Postado em 08.10.2009 | 22:10 | Mauro Refosco
divisão

Subir pedalando uma ladeira de quase 2KM.

Quem já tentou uma loucura dessas além dos ciclistas profissionais e os amantes das bicicletas? Eu não me considero dentro dessas categorias, bicicleta pra mim, nas atuais circunstâncias é somente um meio de transporte, pra facilitar a locomoção e poder descobrir coisas nas cidades em que estamos passando.

Bom, por acaso, fiz a besteira de encarar uma ladeira dessas. Acompanhado do Graham, o baterista da banda. Saímos do lugar onde o ônibus estava estacionado, próximo a um depósito de materiais de construção, e fomos em direção ao local do concerto, no centro da cidade. Um castelo muito antigo.

A culpa foi do google maps.

Mauro Refosco

 Quando você olha na tela do computador, a planta de uma cidade, ela parece toda lisinha, plana, sem nenhuma inclinação. É tudo bonito, perfeito e “bicicletável” em todos os níveis. Surpresa da gente quando chegamos ao lugar marcado no mapa dizendo “aqui é o castelo”, só tinha uma morro na nossa frente, todo coberto por uma floresta. Perguntei para uma senhora e ela confirmou: “é aqui sim, sé subir essa rua, e lá no topo tem um local onde fazem shows”. Resolvemos encarar a situação, vamos subir essa porra pedalando. Ahahah, conseguimos, mas foi uma luta, e no final foi engraçado pois começamos a competir pra ver quem chegaria primeiro. Claro que o seu blogueiro foi o vencedor!

Castelo lindo, ereto to topo de uma rocha. Coisas que a gente não encontra em outro lugar no mundo a não ser na Europa.

Na volta ao ônibus  após o concerto, ladeira abaixo, o santo ajudou e muito.  Mãos nos freios o tempo todo, descobrimos que havia um bondinho que todo mundo pega pra subir ao castelo. Too late pra gente, pelo menos valeu o exercício.

Chegando no ônibus depois de pedalar, fui durmir tranquilo, no dia seguinte ia acordar na Italia, meu pais favorito pra fazer turne. Comida boa, povo caloroso e visual classico, fiquem colados no blog que já já chegam as histórias macarrônicas.

Abcs

 

Mauro

icone postado
Postado em 28.09.2009 | 11:09 | Mauro Refosco
divisão

Reencontramos o Danúbio.

Longa essa viagem de Varsóvia a Budapeste. Chegamos por volta do meio dia. 12 horas de busão para passar um dia de folga nesta linda cidade, na qual eu nunca havia pisado antes, em todas as minhas idas a Europa. Cheio de planos.

Budapeste é uma cidade com uma história muito interessante. Fundada no século 1 da era cristã, por romanos, foi invadida pelos turcos e otomanos e retomada pelos austro húngaros em 1700. Preservada dos bombardeiros na segunda guerra por se deixar ocupar pelos nazistas (cerca de 250.000 judeus foram mortos) virou parte do Bloco Soviético até a queda do muro de Berlin, quando se reintegra à Comunidade Européia. Com esse monte de acontecimentos, Budapeste se fez uma cidade extremamente única. Muita cultura e história. Vambora pedalar e descobrir?

Chegando ao Hotel lá pelo meio dia, botamos as malas no quarto e saímos, Natalie, Graham, Steven e eu, direto a um banho turco que é super conhecido por lá. Um complexo com todos os tipos de saunas e piscinas, quentes, frias, indoor, outdoors, sauna úmida, seca e essa coisas  maravilhosas. Um bom começo para um dia de descanso.

Olha a foto que a Natalie tirou de um casal sapeca ai.

Piscina

Piscina

 

As 3 da tarde rolou um passeio de bicicleta com um monte de gente. Alem de 7 da nossa turma, apareceram a Danielle Spencer, o David, o namorado dela e o seus amigos budapestinos. Danielle é responsável por toda a direção de arte dos projetos do David, capa de discos, livros, posters, cuida do website, uma fera no assunto. Quando pequena o pai dela, um famoso matemático, morou alguns anos em Budapeste, então ela fala um pouco de húngaro e também tem velhos conhecidos que serão nossos guias. O David, namorado da Danielle, é um neurocirurgião que está na Hungria dando uma palestra. Aqui um momento kodak do nosso giro.

Budapeste virou uma cidade cosmopolita depois que foi integrada à comunidade européia. Muita gente nas ruas, cultura forte, música, bares, teatro. Diria que é a nova Paris, a não ser pela língua que eles falam que é uma desgraça pra entender. Aliás, só depois de beber muita vodka você consegue manter uma conversa ‘normal' em hungarês.

No dia seguinte rolou um corte de cabelo coletivo com uma sugestão da Natalie. Todos bonitinhos fomos de bicicleta pro parque milenaris, local do concerto, que fica no lado buda. Budapeste pra quem não conhece é dividida em dois lados, de um lado do Danúbio esta buda, do outro peste. Um mais urbano, artístico e cultural, outro mais residencial, menos globalizado, mas ambos maravilhosos.

Depois do concerto rolou um get together num barzinho chamado K, toda a decoração do lugar era feito com grafite de símbolos e pessoas famosos do comunismo. Deu meia noite, hora de subir no busão e se mandar de volta pra Áustria, so que agora numa cidade chamada Graz.

K Bar Budapest

K Bar Budapest

 

Abcs,

Mauro

 

//Mundo afora

Por Mauro Refosco

por Mauro Refosco

Rss

/ARQUIVO


Páginas: 1 | 2 | 3  próximo »